Acessibilidade

Maio 2024

Relatório de desempenho

Planos atrelados a fundos de investimentos

Confira os relatórios de desempenho

  • ABSOLUTE

    ABSOLUTE ICATU I PREV

    • COMENTÁRIO GERAL

      O principal destaque de maio foram os dados de inflação dos EUA, que vieram mais fracos e com uma composição melhor, sugerindo que o pior ficou para trás. Essa divulgação ocorreu após a última reunião do FOMC, onde o presidente Powell sinalizou que o próximo movimento seria de cortes, e não de altas, mitigando o risco de retomada do ciclo de aperto observado nos meses anteriores.

      A atividade econômica continua robusta, como evidenciado pelos bons resultados corporativos do primeiro trimestre, que superaram as expectativas. No entanto, há sinais iniciais de uma leve desaceleração do consumo, afastando o cenário de retomada do ciclo de alta de juros.

      Na Europa, os dados de inflação vieram no sentido contrário. Após a melhora no ritmo de crescimento observada no primeiro trimestre, a economia apresentou dados de inflação um pouco mais fortes, seja pela ótica do consumo, seja pela ótica dos salários. Essa leitura, divergente do ambiente americano, sugere que o ciclo de afrouxamento monetário na região poderá seguir um rito ainda mais cauteloso, com cortes de juros mais espaçados ao longo do tempo, e consequentemente em maior sintonia com a política monetária americana.

      Na China não houve grandes surpresas. Seguimos descartando o cenário de uma desaceleração abrupta no curto prazo, ainda que a desaceleração da atividade no país siga evidente devido à contínua fraqueza da demanda. Por fim, consolida-se um ambiente externo marginalmente mais favorável do que enxergávamos nos últimos meses.

      O mesmo não pôde ser verificado no Brasil, a começar pela inestimável tragédia do Rio Grande do Sul. O ambiente fiscal, já desafiador, ganhou mais um motivo para justificar uma nova rodada de expansão fiscal. Ainda é difícil estimar com algum grau de precisão os impactos econômicos da crise humanitária, mas definitivamente não serão pequenos.

      O congresso aprovou o decreto de calamidade pública no estado, permitindo, dentre outras coisas, gastos fora dos limites fiscais até o final de 2024. Até aqui, grande parte desses valores têm sido alocados para fundos estatais de forma a alavancar o crédito para a região. Entretanto, o governo tem antecipado algumas transferências de recursos diretamente a população, como também desenhado novas transferências específicas. É importante destacar que essa expansão fiscal deveria ser contrabalançada por uma atuação mais conservadora por parte do Banco Central, porém pairam dúvidas sobre a função de reação do novo colegiado a partir de 2025.

      A última decisão do Copom trouxe algum nível de ruído para os mercados e gerou mais dúvidas do que certezas com relação ao comprometimento da autoridade com a meta de inflação de 2025 em diante. O resultado, já observado, foi a desancoragem das expectativas de inflação para prazos mais longos que, consequentemente, geram um ambiente em que dificilmente o BCB poderá continuar reduzindo os juros nas próximas reuniões.

    • ABSOLUTE ICATU I PREV - 29.242.441/0001-81

      (Maio)

      Atribuição

      Em termos de resultado, o fundo obteve ganhos nas posições compradas em bolsa americana, principalmente. As posições do livro de juros depuraram perdas marginais, a despeito da posição comprada em inflação implícita local, recém assumida. Em moedas, a atribuição foi marginalmente negativa, com destaque negativo para a posição vendida em renmimbi.

      Posicionamento

      O fundo tem a posição comprada em bolsa americana como principal fator de risco. Há também, em menor magnitude, uma carteira comprada em ações locais. Em moedas, o fundo reduziu a exposição comprada em dólar através do aumento de compras em euro e dólar australiano e, por outro lado, da redução da posição vendida em renmimbi. Em juros, o fundo segue com pequena posição tomada em inflação implícita no Brasil.

    • ABSOLUTE ATENAS ICATU PREVIDÊNCIAFIC FI RF CP - 47.612.701/0001-45

      (Maio)

      Atribuição

      A abertura dos spreads resultou em desempenho abaixo do carrego dos fundos em maio. Contribuições positivas vieram de títulos bancários de baixo risco e corporativos de alta qualidade. Impactos negativos foram observados no setor de saúde, afetado pela dinâmica negativa de capital de giro, e em duas empresas financeiras com grande exposição ao Rio Grande do Sul. Não vemos consequências significativas no restante do portfólio e permanecemos confiantes na normalização dos spreads dessas empresas nos próximos meses.

      Posicionamento

      Em maio, observamos uma estabilização seguida de uma leve abertura nos prêmios de créditos específicos. O mercado primário manteve um grande número de ofertas, principalmente de emissores conhecidos, com menor risco de crédito e com prazos mais dilatados. Não participamos dessas emissões, aguardando melhores oportunidades. No mercado secundário, houve correção de preços em setores como saúde e outros casos pontuais, como de bancos e empresas com atividade relevante no Rio Grande do Sul, afetado por eventos climáticos. Adotamos, portanto, uma postura conservadora, aumentando o caixa e reduzindo o prazo médio das carteiras.

  • ADAM CAPITAL

    ADAM ICATU PREV FIC FIM

    • COMENTÁRIO GERAL

      Mesmo com todos estes sinais de pujança, ainda assim os mercados seguem projetando cortes de juros ao redor do mundo.
      O primeiro banco central de países desenvolvidos sobre o qual se debruçam as expectativas nesta semana é o banco central europeu (ECB), com mais de 90% de chance implícita de corte nesta reunião de junho segundo os preços de mercado, o que nos parece equivocado em face da inflação de serviços elevada e das pressões contínuas vindas das negociações salariais na Europa.
      Por fim, falando de Brasil, temos uma situação muito semelhante ao que vemos lá fora, pois os estímulos econômicos continuam sendo dados mesmo com a economia acelerando no mercado de trabalho e caminhando para um crescimento da demanda doméstica e do consumo na casa dos 3% ou mais, mesmo diante da tragédia ocorrida no Rio Grande do Sul.
      Um estudo interessante foi feito pelo Instituição Fiscal Independente, órgão de análises de conjuntura ligado ao Senado Federal. No seu cálculo do Resultado fiscal estrutural, o IFI chegou em um impulso fiscal recorde no ano passado. Eles calculam este resultado a partir da variação do primário estrutural, que é o componente isolado dos efeitos cíclicos (que oscilam devido ao ciclo econômico) e limpo do componente não-recorrente (como aqueles gastos feitos exclusivamente em função da pandemia). Vale fazer a observação de que resultado fiscal primário recorrente negativo se transforma em um impulso fiscal positivo para a demanda (e vice-versa).
      Porém, ao contrário da maioria dos anos em que a política fiscal é pró-cíclica, desta vez o expansionismo ocorre em um momento de economia forte, ou com hiato do produto positivo, segundo a estimativa deste próprio órgão.
      Todos os estímulos aqui e lá fora, portanto, atuam no sentido de uma aceleração da inflação nos próximos anos. Neste cenário, entendemos que o ouro e outros ativos como bolsa brasileira e juros locais devem subir, e por isso temos estas posições em nossa carteira.
      Se os bancos centrais confirmarem o viés de corte de juros esperado pelo mercado – a começar pelo ECB e depois pelo Fed – as posições em ativos reais devem se beneficiar ainda mais, ainda que o custo destas políticas deva aparecer em algum momento ao longo dos próximos anos.

    • ADAM ICATU PREVIDENCIÁRIO FICFIM- 25.681.955/0001-82

      (Maio)

  • ALASKA ASSET MANAGEMENT

    ALASKA ASSET

    • ALASKA 100 ICATU PREVIDENCIÁRIO FI MM- 34.081.155/0001-11

      (Maio)

      O fundo Alaska 100 Icatu Previdenciário FIM obteve um retorno de -3,38%, inferior aos +1,33% do benchmark IMA-B e aos -3,04% do Ibovespa. A contribuição mais significativa do fundo, que possui alocação próxima a 100% em ações, veio do setor de proteínas, enquanto do lado negativo o destaque veio do setor educacional.
      O fundo segue posicionado aproximadamente 100% em ações, sendo as duas posições mais relevantes dos setores de óleo e gás e de mineração.

    • ALASKA 70 ICATU PREV FIM- 29.722.458/0001-36

      (Maio)

      O fundo Alaska 70 Icatu Previdenciário FIM obteve um retorno de -2,10%, inferior aos +1,33% do benchmark IMA-B. A contribuição mais significativa do fundo, que possui alocação próxima a 70% em ações e o restante em renda fixa, veio do setor de proteínas, enquanto do lado negativo o destaque veio do setor educacional.
      O fundo segue posicionado aproximadamente 70% em ações, sendo as duas posições mais relevantes dos setores de óleo e gás e de mineração.

  • APEX CAPITAL

    APEX CAPITAL

    • APEX LONG BIASED ICATU PREVIDENCIÁRIO FIM 70 - 29.732.909/0001-16

      (Maio)

      No mês de maio de 2024, o fundo Apex Long Biased Icatu 70 Prev FIM apresentou retorno de -2,8% e o CDI +0,83%. Os destaques positivos em termos absolutos foram em Indústria, Construção e TI. Os destaques negativos em termos absolutos foram em Utilidade Pública, Energia, Bancos e Varejo. O fundo terminou o mês com uma exposição líquida de 34,16% e bruta de 105,74%. A exposição bruta setorial do fundo está conforme a seguir: Utilidade Pública 43,4%; Renda Fixa e Inflação 29,4%; Financeiro e Outros 15,3%; Consumo Cíclico 9%; Materias Básicos 7,8%; Petróleo, Gás e Biocombustíveis 7,6%; Bens Industriais 5,9%; Saúde 4,3%; Consumo não Cíclico 3,8%; Tecnologia da Informação 1,6% e ETF 1,1%.

    • APEX LONG BIASED ICATU PREVIDÊNCIA FIM 49 - 20.814.969/0001-03

      (Maio)

      No mês de maio de 2024, o fundo Apex Long Biased Icatu Prev 49 apresentou retorno de -1,67% e o CDI +0,83%. Os destaques positivos em termos absolutos foram em Indústria, Construção e TI. Os destaques negativos em termos absolutos foram em Utilidade Pública e Energia. O fundo terminou o mês com uma exposição líquida de 23,85% e bruta de 73,82%. A exposição bruta setorial do fundo está conforme a seguir: Renda fixa e inflação 48,1%; Utilidade Pública 30,7%; Financeiro e Outros 10,8%; Consumo Cíclico 6,3%; Materias Básicos 5,5%; Petróleo, Gás e Biocombustíveis 5,3%; Bens Industriais 4,1%; Saúde 3%; Consumo não Cíclico 2,7% e Tecnologia da Informação 1,1%.

  • ARX INVESTIMENTOS

    ARX INVESTIMENTOS

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • ARX TARGET ICATU PREV FIC FIM - 31.353.579/0001-08

      (Maio)

    • ARX INCOME ICATU PREV FIM - 03.879.361/0001-48

      (Maio)

    • ARX INCOME QUALIFICADO ICATU PREV 100 FIC FIA- 37.355.672/0001-20

      (Maio)

    • ARX DENALI ICATU PREV FIC FI RF CP - 31.353.579/0001-08

      (Maio)

  • ATENA ICATU PREV

    ATENA ICATU

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • ATENA ICATU PREV RENDA FIXA FIE - 44.211.899/0001-67

      (Maio)

  • ATHENA CAPITAL

    ATHENA CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • ATHENA ICATU PREV FIM 49 - 26.680.218/0001-28

      (Maio)

      Atribuição de Performance: em maio, quase todos os ativos tiveram performance negativa, refletindo a percepção do mercado de que teremos um cenário com juros mais elevados do que o esperado anteriormente. O principal destaque negativo foi a Natura, que, apesar da qualidade operacional do resultado do 1º trimestre ter sido boa, apresentou um resultado financeiro muito poluído por fatores que julgamos não recorrentes, gerando incerteza no mercado. Além disso, a empresa afirmou que ainda precisa realizar muitos estudos para decidir sobre o potencial spin-off da Avon Internacional, o que, acreditamos, afastou investidores que estavam posicionados para a chance desse evento no curto prazo. Outro resultado negativo foi o da Localiza, na qual a empresa passou um discurso de piora nos preços dos veículos seminovos, o que levará a um resultado mais fraco no 2º trimestre. Fora esses destaques negativos, os demais resultados têm sido em linha ou melhores que o esperado. Posicionamento Atual: seguimos preferindo ativos que tenham uma expectativa de crescimento de dois dígitos, mesmo em cenários adversos, e que sejam líderes em retorno/eficiência em seus mercados. Tais características formam uma carteira menos dependente de uma percepção de mudança de cenário, com o principal risco sendo a decepção (grande) dos resultados. Embora, no curto prazo, alguns dos ativos de maior crescimento possam sofrer em momentos de maior estresse quanto aos juros. Em termos de mudanças no portfólio, reduzimos nossas posições em ITSA e HBSA, mas ainda as mantemos em carteira. Em termos de aumento, fizemos pequenos incrementos em diversos ativos e um aumento mais relevante em ELET3.

    • ATHENA ICATU PREV FIM 70 - 29.045.319/0001-15

      (Maio)

      Atribuição de Performance: em maio, quase todos os ativos tiveram performance negativa, refletindo a percepção do mercado de que teremos um cenário com juros mais elevados do que o esperado anteriormente. O principal destaque negativo foi a Natura, que, apesar da qualidade operacional do resultado do 1º trimestre ter sido boa, apresentou um resultado financeiro muito poluído por fatores que julgamos não recorrentes, gerando incerteza no mercado. Além disso, a empresa afirmou que ainda precisa realizar muitos estudos para decidir sobre o potencial spin-off da Avon Internacional, o que, acreditamos, afastou investidores que estavam posicionados para a chance desse evento no curto prazo. Outro resultado negativo foi o da Localiza, na qual a empresa passou um discurso de piora nos preços dos veículos seminovos, o que levará a um resultado mais fraco no 2º trimestre. Fora esses destaques negativos, os demais resultados têm sido em linha ou melhores que o esperado. Posicionamento Atual: seguimos preferindo ativos que tenham uma expectativa de crescimento de dois dígitos, mesmo em cenários adversos, e que sejam líderes em retorno/eficiência em seus mercados. Tais características formam uma carteira menos dependente de uma percepção de mudança de cenário, com o principal risco sendo a decepção (grande) dos resultados. Embora, no curto prazo, alguns dos ativos de maior crescimento possam sofrer em momentos de maior estresse quanto aos juros. Em termos de mudanças no portfólio, reduzimos nossas posições em ITSA e HBSA, mas ainda as mantemos em carteira. Em termos de aumento, fizemos pequenos incrementos em diversos ativos e um aumento mais relevante em ELET3.

  • ATLAS ONE INVESTIMENTOS

    ATLAS ONE

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • ATLAS ONE ICATU 70 - 33.520.932/0001-14

      (Maio)

       

  • AVANTGARDE ASSET MANAGEMENT

    AVANTGARDE

    • AVANTGARDE ICATU PREV 70 FIC FIM- 43.984.666/0001-34

      (Maio)

      Em maio, o fundo teve retorno de -1,86% contra 1,33% do IMA-B. Em 2024, o retorno
      acumulado do fundo é de -5,54% contra -0,13% do benchmark. Desde o início, o fundo tem 12,48%
      de retorno total contra 23,66% do IMA-B. Na perspectiva de risco, a volatilidade – desvio padrão
      anualizado – das cotas diárias do fundo, desde o início, está em 10,21% contra 4,67% do IMA-B. O
      fundo tem volatilidade alvo de 10% ao ano, bem próximo da volatilidade observada. O fundo entra em junho com 67% de alocação na estratégia Multifatores de renda variável
      e com 33% em renda fixa.

  • AZ QUEST INVESTIMENTOS

    AZ QUEST

    • COMENTÁRIO GERAL

      No Brasil, os dados econômicos indicam uma atividade forte e desaceleração da inflação. O PIB cresceu 0,8% no 1º trimestre, confirmando a projeção de 2,0% para 2024. A projeção de inflação foi revisada de 3,7% para 3,9% devido aos choques alimentícios no Rio Grande do Sul. A taxa de desemprego ajustada atingiu 6,9% no trimestre encerrado em abril, menor nível desde 2015, mas os salários continuam subindo. O cenário fiscal se deteriorou devido à falta de ajustes nas despesas, e a expectativa de inflação aumentou, o que pode levar o Banco Central a manter a taxa Selic em 10,50%
      Nos EUA, o FOMC manteve a taxa de juros em 5,25-5,5%. O payroll do mês registrou 175 mil vagas, abaixo do esperado, com menor criação de empregos pelo governo e setor privado. A inflação mostrou-se mais moderada, com CPI e PCE alinhados às expectativas, em 3,36% e 2,65% YoY, respectivamente
      Na Europa, o PIB do 1º trimestre cresceu 0,3%, conforme o esperado. A inflação de maio superou as expectativas, impulsionada pelos preços de energia e serviços. No Reino Unido, a inflação também surpreendeu, com alta nos serviços.
      Na China, os dados de crédito caíram no mês, mas o CPI subiu 0,3% YoY, acima das expectativas

    • AZ QUEST RV PREV ICATU FIE FI MULTIMERCADO - 33.341.968/0001-30

      (Maio)

    • AZ QUEST PREV ICATU LUCE FIC FIRF CP - 23.883.385/0001-88

      (Maio)

      ‘O AZ Quest Prev Icatu Luce teve um rendimento de +0,93% no mês de maio, resultado acima da rentabilidade-alvo de longo prazo pensada para o fundo. As estratégias apresentaram bons resultados, com destaque para as carteiras de LFSN e debentures CDI.
      A carteira do AZ Quest Prev Icatu Luce apresenta um carrego bruto sobre CDI+ em 1,91% e duration de 1,79 anos. O fundo está 72% alocado, sendo 46% em debêntures. Os setores com maior alocação são Bancos, Assistência Médica e Elétricas.

    • AZ QUEST INFLAÇÃO ATIVO PREV FIE FI RENDA FIXA - 34.442.059/0001-51

      (Maio)

      Em maio, o AZ Quest Inflação Ativo Prev apresentou resultado de 1,17%, enquanto seu benchmark retornou 1,33%. O fundo está sobrealocado em NTN-Bs longas em relação ao benchmark (IMA-B).

    • AZ QUEST ICATU MULTI PREV FIC FIM- 18.534.967/0001-19

      (Maio)

      Em maio, o book de Bolsa Local teve resultado negativo, com posições compradas em Ibovespa, SMAL11, ITUB4, PETR4 e VALE3.
      Juros Locais tiveram o pior desempenho, com posições aplicadas nos DIs até Jan/27, tomadas no DI Jan/31, e compradas em NTN-Bs de longo prazo.
      Bolsas Internacionais foram levemente negativas, com posições compradas em MSCI China e Emerging Markets, e vendidas em S&P.
      Moedas também foi negativo, com posições vendidas em EUR, compradas em BRL, e trades de relative value com AUD, CHF, NOK, SEK, GBP e MXN.
      Juros Internacionais teve resultado positivo, com posições tomadas na inclinação 5×10 do juro alemão e das Treasuries, e pequenas posições nos SOFRs de até 1 ano e na Treasury de 10 anos. Commodities foi levemente negativo, com posição comprada em açúcar via futuros.

  • BAHIA ASSET MANAGEMENT

    BAHIA ASSET

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • BAHIA AM PREV ICATU FIC FIM- 39.281.314/0001-45

      (Maio)

      No mês, os ganhos do fundo vieram de posições compradas em ativos de risco, posições aplicadas em juro real e posições compradas ouro. No mercado internacional, temos posições compradas na bolsa americana e comprada em ouro. No mês, os dados econômicos divulgados continuaram apontando para um ambiente de inflação cadente nas principais economias do mundo, ainda que em diferentes velocidades. Dessa forma, alguns bancos centrais de países desenvolvidos estão iniciando seus ciclos de afrouxamento monetário. Neste ambiente, os ativos de risco vêm performando bem em geral e o S&P, mais uma vez, registrou valorização e ao longo do mês e renovou as máximas históricas.

      Consideramos que a maior parte dos países desenvolvidos estão caminhando para iniciar o ciclo de queda de juros devido à proximidade da inflação das suas respectivas metas e ao atual nível de juros que está em território restritivo. No mercado internacional, temos posições compradas na bolsa americana e comprada em ouro. No Brasil, temos posições tomadas na inclinação de juros reais e compradas em inflação implícita.

  • BOCOM BBM CCVM S.A.

    BOCOM BBM

    • COMENTÁRIO GERAL

      ‘Seguimos com o direcionamento dos nossos portfólios para nomes com elevada qualidade de resultados e que apresentam ainda oportunidades com risco-retorno favorável. No mercado secundário, temos aproveitado para realizar ganhos em algumas posições que apresentaram notório fechamento de spreads nos últimos meses e estão sendo negociadas próximas ou abaixo do nível de recompra. Parte dessa geração de caixa estamos utilizando para fazer frente a boas oportunidades que temos visto no mercado primário, onde, apesar de estarmos otimistas com o cenário futuro, acreditamos que seja prudente ter cautela para não corroborar com alguns preços pouco atrativos que estão saindo, resultantes dessa pressão compradora da indústria. No mercado offshore, continuamos com uma exposição controlada nos fundos, buscando capturar boas operações de empresas brasileiras com spreads atrativos em comparação ao mercado local.

    • BOCOM BBM PREV ICATU FIE I QUALIFICADO FIM CP - 44.098.220/0001-75

      (Maio)

      Em maio, o fundo obteve retorno de 0,91%, o equivalente a 109% do CDI. No ano, o retorno acumulado foi de 4,97%, o equivalente a 113% do CDI. O resultado do mês pode ser explicado objetivamente pelos ganhos de carrego e fechamento de spread dos ativos locais. O mercado de crédito privado continuou amplamente funcional, com volume elevado de negociações no mercado secundário, enquanto o retorno de emissores frequentes ao mercado primário tem sido indicativo positivo para continuidade da recuperação à frente. O Fundo encerrou o mês com 13,7% de caixa, 110 ativos em carteira de 63 emissores distintos, taxa de carrego da carteira (antes de custos) equivalente a CDI+ 1,46% e duration de 2,13 anos.

  • BNP PARIBAS ASSET MANAGEMENT

    BNP PARIBAS

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • BNP PARIBAS ICATU SEG FI RF PREV CP - 22.809.036/0001-53

      (Maio)

  • PLURAL

    BRASIL PLURAL CRÉDITO CORPORATIVO ICATU PREV CP FIC FIRF

    • BRASIL PLURAL CRÉDITO CORPORATIVO ICATU PREVIDÊNCIA CP FIC FIRF - 23.263.359/0001-57

      (Maio)

      No mês de maio a performance foi acima do CDI, abaixo da rentabilidade no ano e nos últimos 12 meses. Esse resultado é justificado por uma estabilização dos spreads de crédito. Seguimos com uma forte captação nos fundos e acompanhando as alterações nas expectativas de taxas de juros no Brasil e países desenvolvidos.
      Quanto ao mercado primário, no mês de maio, optamos por não ingressar em novas emissões, mantendo-nos seletivos em meio a um pipeline de emissões ainda robusto.
      Estamos focados em capturar novas oportunidades no mercado que se alinhem com o perfil de risco de cada estratégia. Nosso plano permanece em não alongar a duration do fundo, bem como manter uma parcela pequena em caixa. O fundo encontra-se alocado em 67,62% em ativos de crédito privado indexado ao CDI (59,67% em debêntures, 0,44% em FIDCs e 7,51% em CDBs/letras financeiras) e 32,38% em caixa.
      A duration do portfólio é de 1,77 ano e da parcela alocada em crédito privado é de 2,31 anos.

  • BOGARI CAPITAL

    BOGARI VALUE ICATU PREV FIM

    • BOGARI VALUE ICATU PREV FIM - 29.722.437/0001-10

      (Maio)

      Atribuição: o fundo teve os ativos abaixo como destaques de atribuição de performance:
      Positiva – INBR32, HAPV3, ONCO3, ITSA, ENGI11
      Negativa – VBBR3, RENT3, CSAN3, ELET3, VVEO3

      Posicionamento maio/24:
      Tivemos como principais contribuições positivas para performance no mês de maio as posições no setor financeiro. No lado negativo, tivemos como destaque o setor de energia. A carteira do fundo segue composta por empresas com bons fundamentos e com a perspectiva de apresentar bons resultados nos próximos anos. O fundo tem posições concentradas nos setores de energia elétrica, bancos, saúde e consumo/varejo. No setor de saúde temos posições em Hapvida e Oncoclínicas. Em energia elétrica temos como destaque posições na Energisa e Copel. Em bancos seguimos com posições em Itausa e Banco Inter. No setor de energia temos como destaque Vibra Energia.

  • BTG PACTUAL ASSET MANAGEMENT

    BTG PACTUAL

    • BTG PACTUAL ICATU CONSERVADOR FICFI RF CRÉD PRIV PREV - 02.782.911/0001-43

      (Maio)

       

    • BTG PACTUAL ICATU CRÉDITO CORPORATIVO PREV FI EM COTAS DE FI MULTIMERCADO CP - 44.803.170/0001-80

      (Maio)

    • PACIFICO ICATU PREV FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - 35.504.169/0001-63

      (Maio)

  • BUTIÁ INVESTIMENTOS

    BUTIÁ

    • BUTIÁ TOP ICATU SEG PREVIDÊNCIA FIRF CP - 30.507.510/0001-10

      (Maio)

      Atribuição de Performance
      Em maio, o BUTIÁ TOP ICATU SEG PREVIDÊNCIA FIRF CP apresentou rentabilidade de +0,89% (106,41% do CDI). Nos últimos 12 meses, o fundo acumula retorno de +14,32% (119,26% do CDI). Ao final do mês, o carrego bruto encerrou em CDI +1,26% e a duration de 2,17 anos.
      Durante o mês, a dinâmica do fundo foi semelhante à do BUTIÁ TOP CRÉDITO PRIVADO FIC. Em relação às atribuições de performance, tivemos contribuição positiva vindo das posições de Smart Fit, Eneva e Iochpe-Maxion. Já na ponta detratora, tivemos Oncoclínicas, CSN e Algar.
      Posicionamento
      Durante maio, não realizamos mudanças significativas nas nossas posições. Para frente, seguimos enxergando oportunidades interessantes em ativos bancários e operações estruturadas.
  • CANVAS CAPITAL

    CANVAS ICATU PREV

    • COMENTÁRIO GERAL

      No acumulado de maio, O S&P 500 teve alta de quase 5% ao passo que o VIX apresentou fechamento relevante. O Mercado de juros dos EUA não trouxe grandes novidades, entretanto, mesmo com o PCE divulgado ligeiramente abaixo das expectativas, não trouxe força suficiente para puxar a bolsa brasileira para o lado positivo, que apresentou baixa após a metade do mês, fechando maio com desvalorização de mais de 3%.

    • CANVAS ICATU PREV FICFIM PREV- 24.405.282/0001-75

      (Maio)

      ‘- Estratégia do Fundo: O Canvas Enduro Prev é gerido pela mesma equipe do Canvas Enduro, de acordo com a mesma filosofia de investimento, tendo como objetivo a geração de retorno absoluto no longo prazo, com uma rigorosa política de controle de risco. O fundo segue uma estratégia multimercado macro combinada com estratégia em ações e apenas investe em mercados líquidos.

      – Atribuição de Performance: O fundo de Previdência fechou o mês com rentabilidade de 0.62%. No ano, o resultado acumulado é de 0.39%. Posições em juros nominais tiveram resultados negativos, enquanto as posições em juros reais tiveram resultados positivos.
      A estratégia de câmbio, com posições vendidas em Real teve resultados positivos, enquanto o book de renda variável, com posições em ações específicas, teve resultados negativos.

      – Posicionamento atual: O fundo encerrou o mês com posições em juros nominais aplicadas na parte intermediária da curva e tomadas na parte longa. Também continuou com posições aplicadas em papeis atrelados à inflação, principalmente na parte intermediária da curva. Em câmbio, o fundo permaneceu com posição vendida no Real via futuros. Em renda variável, o fundo permaneceu com posições compradas em ações específicas.

  • CAPITÂNIA INVESTIMENTOS

    CAPITÂNIA

    • COMENTÁRIO GERAL

      Os mercados mundiais tiveram dias de alívio quando o banco central americano, anunciou uma redução no ritmo de contração do seu balanço. Os ativos do FED, que até 2008 eram de menos de 1 trilhão de dólares, foram expandidos durante sucessivas operações de socorro até 9 trilhões em 2022, arriscando inflação. Desde então, foi reduzido para 8 trilhões, e foi essa contração o alvo do seu anúncio recente, que criou expectativas de aumento de liquidez.
      O Brasil ficou de fora da comemoração. O Ibovespa caiu 3% e o real foi uma das raras moedas que perderam para o dólar (-1%). O índice IFIX de fundos imobiliários ainda conseguiu se equilibrar e fechou estável.
      Por que o Brasil ficou para trás? Ruídos em maio explicam o mau desempenho: a votação do Banco Central sobre a SELIC, a troca de comando da Petrobrás e o estado das contas públicas.
      O crescimento econômico ainda deverá surpreender para cima e mesmo a sua última atualização já é superior ao que os organismos internacionais esperam para a América Latina. Boa notícia será se, em algum momento deste ano, ganhar credibilidade a tese do “jumpstart”, do crescimento gerar sua própria arrecadação e se tornar o fiel da balança da trajetória do câmbio, dos juros e do preço dos ativos.
      Principal aspecto positivo no mês foi a recompra das debêntures Nissei no dia 31/05. Na data houve o pagamento com prêmio e resultado de +4,30% na posição. Outro ponto positivo foi a notícia da recompra da 4ª emissão de Ambipar que resultou no fechamento do spread do ativo se alinhando a taxa de recompra. Com isto, a marcação foi de CDI + 2,90% para CDI + 1,94% num curto espaço de tempo.
      Em maio observamos o segmento de saúde como principal detrator de resultado. As debêntures de Aliança com retorno de -8%, as debêntures Elfa em -10% no mês e Kora -8%. A gestão continua otimista com os três casos de crédito, acreditando na recuperação das marcações adversas, as empresas possuem acionistas capitalizados que estão estudando a melhor forma de readequar a estrutura de capital.

    • CAPITÂNIA CREDPREVIDÊNCIA ICATU FIC FIRF CP 27.239.065/0001-40

      (Maio)

  • CLARITAS INVESTIMENTOS

    CLARITAS INVESTIMENTOS

    • COMENTÁRIO GERAL

      O mês de maio foi marcado por alta das bolsas globais. Os dados econômicos continuaram fortes na economia americana. Na economia chinesa, a moeda ficou estável enquanto a bolsa desvalorizou. O FED manteve um tom duro, sinalizando os juros estáveis por período prolongado, com membros não descartando uma alta de juros caso necessário. No ambiente doméstico, a bolsa caiu, os juros subiram, e o real desvalorizou. O dissenso no Banco Central trouxe ruído e volatilidade para o mercado, dificultando a ancoragem das expectativas de inflação. A conjuntura fiscal continua sendo a maior preocupação.

    • CLARITAS ICATU PREV FIE FIC FIM- 37.627.900/0001-73

      (Maio)

      Encerramos a posição aplicada direcional nos Juros Nominais de curto prazo e aumentamos a posição aplicada nos Juros Reais, com resultado negativo. Mantivemos posição em inclinações nos países desenvolvidos. Em bolsa, reduzimos a alocação bruta da carteira e compramos proteções. Foram destaque positivo as posições compradas no setor de Transporte e Logística, Construção e Healthcare. Como destaque negativo tivemos posições compradas no setor de Varejo, Petróleo e Gás, e Saneamento. Mantivemos uma posição em mercados emergentes e China com resultado positivo. No book de moedas, obtivemos retorno positivo no Dólar contra o Real e em cross de países Desenvolvidos/Emergentes. A estratégia quantitativa em moedas apresentou resultado positivo.

  • CONSTÂNCIA INVESTIMENTOS

    CONSTÂNCIA INVESTIMENTOS

    • COMENTÁRIO GERAL

      (Maio)

    • CONSTÂNCIA ICATU PREV FIM CP- 33.768.898/0001-00

      (Maio)

  • CONSTELLATION ASSET MANAGEMENT

    CONSTELLATION

    • COMENTÁRIO GERAL

      ‘A Constellation está praticamente 100% investida. As empresas estão entregando operacionalmente e sendo negociadas a níveis de valuations um desvio padrão abaixo da mediana histórica. Nossa estratégia consiste em encontrar as melhores empresas, pelo preço certo, em um cenário positivo. Apesar da volatilidade, principalmente devido a variações nas expectativas acerca da taxa de juros, acreditamos estar em um momento positivo para o investimento em equities no Brasil. Sobre o portfólio, estamos com o menor turnover dos últimos 10 anos, com pequenas alterações. Não queremos estar muito concentrados, minimizando os impactos negativos de erros, mas também não queremos estar muito diversificados, diluindo nossas melhores ideias.

    • CONSTELLATION ICATU 70 PREV FIM- 30.178.912/0001-19

      (Maio)

      O Constellation Icatu 70 Prev FIM apresentou queda de -1,88% vs. -2,98% do Ibovespa em maio de 2024, marcando o terceiro mês seguido de queda na bolsa brasileira. As principais contribuições do mês foram os setores de consumo e tecnologia. Os principais detratores foram os setores de utilities e commodities. O alpha positivo é explicado sobretudo pela nossa baixa exposição a commodities e a bancos incumbentes, quando comparado com o índice. As principais posições do fundo seguem parecidas com o mês anterior. O cenário continua positivo, com as empresas entregando operacionalmente. Ruídos de curto prazo interferem no preço de negociação das ações e geram oportunidades, envidenciado pelo fato do P/E do portfólio estar mais de 1 desvio padrão abaixo da mediana histórica. Nossa posição de caixa é 1,5%. Acreditamos estar bem-posicionados para capturar um retorno implícito positivo nos próximos anos, vemos uma TIR de 3 anos de 30% no portfólio.

  • CTM INVESTIMENTOS

    CTM GÊNESIS

    • CTM GÊNESIS ICATU FIM PREV - 39.687.570/0001-37

      (Maio)

       

       

       

  • DAHLIA CAPITAL

    DAHLIA CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      ‘Em maio, os principais ativos de risco no mundo tiveram um desempenho positivo, por conta de dados mais moderados da economia americana e de resultados positivos principalmente das empresas de tecnologia. Na China, vemos várias economias em uma, com setores manufatureiros e exportadores com desempenho positivo e o setor imobiliário ainda bastante fraco. O consumo doméstico chinês mostra sinais de recuperação, ainda que em patamares baixos.

    • DAHLIA GLOBAL 50 ICATU PREV FIC FIM - 38.033.115/0001-55

      .

  • DAO CAPITAL LTDA

    DAO CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • DAO DEFENDER LONG SHORT ICATU PREV FICFI MULTIMERCADO - 46.415.130/0001-96

      (Maio)

  • EQUITAS INVESTIMENTOS

    EQUITAS INVESTIMENTOS

    • COMENTÁRIO GERAL

      Maio foi um mês positivo para os mercados globais, com as principais bolsas internacionais fechando em alta. Nos EUA, a inflação e emprego abaixo do esperado, impulsionaram uma redução de quase 20 pontos-base nos juros de longo prazo, resultando em altas significativas nos índices das bolsas. Além disso, resultados positivos de empresas, especialmente no setor tecnológico, contribuíram para alta nos mercados internacionais. O S&P 500 e o Nasdaq subiram 5% e 6,4%, respectivamente, enquanto o Euro Stoxx subiu 2,4%. No Brasil, a piora nas expectativas sobre a inflação influenciou negativamente as bolsas. A postura mais conservadora do Bacen em relação aos cortes de juros aumentou a incerteza sobre a taxa de juros terminal, provocando uma alta na curva e impactando adversamente os ativos de risco.

    • EQUITAS PREV II ICATU FIC FIA - 35.354.896/0001-91

      (Maio)

      Em maio, o fundo Equitas Prev II Icatu registrou desempenho negativo de -3,0%. O Ibovespa, por sua vez, registrou uma desvalorização de -3,0%. Ao longo do mês de maio divulgamos atualizações das nossas análises sobre as principais posições do nosso portfólio, demonstrando o forte potencial de valorização que enxergamos em cada caso. Prevemos uma revisão ascendente nas expectativas de lucro das empresas, provavelmente acompanhada por redução nas taxas de juros. Acreditamos que essa combinação de fatores será benéfica para os ativos de risco no Brasil. Projetamos uma taxa interna de retorno superior a 30% ao ano para o portfólio, continuando a tendência positiva do último ano e considerando um horizonte de investimento de três anos. Isso se mantém válido mesmo sem levar em conta uma possível reprecificação dos ativos, que atualmente são negociados a múltiplos significativamente abaixo da média histórica. Mantemos nossa confiança nas empresas que compõem nosso portfólio e nas condições microeconômicas a que estão expostas.

    • EQUITAS PREV I ICATU FIC FIA - 35.371.732/0001-72

      (Maio)

      Em maio, o fundo Equitas Prev I Icatu registrou desempenho negativo de -2,9%. O Ibovespa, por sua vez, registrou uma desvalorização de -3,0%. Ao longo do mês de maio divulgamos atualizações das nossas análises sobre as principais posições do nosso portfólio, demonstrando o forte potencial de valorização que enxergamos em cada caso. Prevemos uma revisão ascendente nas expectativas de lucro das empresas, provavelmente acompanhada por redução nas taxas de juros. Acreditamos que essa combinação de fatores será benéfica para os ativos de risco no Brasil. Projetamos uma taxa interna de retorno superior a 30% ao ano para o portfólio, continuando a tendência positiva do último ano e considerando um horizonte de investimento de três anos. Isso se mantém válido mesmo sem levar em conta uma possível reprecificação dos ativos, que atualmente são negociados a múltiplos significativamente abaixo da média histórica. Mantemos nossa confiança nas empresas que compõem nosso portfólio e nas condições microeconômicas a que estão expostas.

  • FINACAP INVESTIMENTOS

    FINACAP INVESTIMENTOS

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • FINACAP ICATU PREV 70 FIM - 33.499.011/0001-17

      (Maio)

  • FORPUS CAPITAL

    FORPUS CAPITAL

    • FORPUS 100 ICATU PREV FIC FIA 38.281.397/0001-00

      (Maio)

      O Forpus 100 Icatu Prev FIC FIA caiu 3,23% em maio contra uma alta de 1,33% do IMA-B no mesmo período. Os destaques negativos do mês foram posições compradas nos setores de Papel e Celulose (-1,05%), Óleo e Gás (-0,8%) e Distribuição de Combustíveis (-0,59%) Telecomunicações (-0,57%). Os destaques positivos do mês foram posições compradas nos setores de Mineração e Siderurgia (0,7%) e Alimentos e Bebidas (0,62%).

      A dinâmica implementada por esse governo, de aumento de impostos e aumento ainda maior de gastos, continua a prejudicar o desempenho de ativos de risco. Acreditamos que o anúncio do nome do novo presidente do Banco Central deva favorecer fortemente o desempenho do Ibovespa até o final do ano. O novo colegiado deve reduzir drasticamente as taxas de juros reais já no primeiro semestre de 2025, o que pode prejudicar o desempenho do real e favorecer as empresas exportadoras na bolsa brasileira. Continuamos expostos a empresas exportadoras de commodities e temos evitado os setores de consumo e imobiliário.

  • IGGY INVESTIMENTOS

    FUNDAMENTA

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • ICATU SELEÇÃO JÚPITER PREVIDENCIÁRIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO 31.248.087/0001-44

      (Maio)

  • GALAPAGOS CAPITAL

    GALAPAGOS CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • GALÁPAGOS ICATU DARWIN PREVIDENCIA GLOBAL FICFI MM - 37.279.513/0001-93

      (Maio)

  • GARDE INVESTIMENTOS

    GARDE ASSET MANAGEMENT

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • GARDE ARAMIS ICATU PREV FIC FIM 29.275.210/0001-74

      (Maio)

    • GARDE PARIS ICATU QUALIFICADO FIC FIM - 41.867.393/0001-12

      (Maio)

  • GAUSS CAPITAL

    GAUSS ICATU PREV FIC FIM

    • GAUSS ICATU PREV FIC FIM- 26.343.792/0001-90

      (Maio)

      No mês de maio, o Gauss Icatu Prev (“Fundo”) apresentou ganhos de 0.7%. Ao longo do mês, o Federal Reserve adotou uma postura menos agressiva do que o esperado, com o presidente Powell indicando que não previa aumentos na taxa de juros e anunciando uma desaceleração no ritmo de redução do balanço patrimonial. Isso, junto com um relatório de empregos dos EUA que mostrou um crescimento mais lento, aliviou as preocupações de uma economia superaquecida, aumentando a expectativa de cortes nas taxas de juros ainda este ano. Essa série de notícias favoráveis levou as bolsas de valores a novas altas históricas, e os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA caíram. Adicionalmente, a queda nos preços do petróleo e ações dovish de outros bancos centrais, como o Riksbank da Suécia, que reduziu as taxas pela primeira vez desde 2016, contribuíram para o ambiente positivo nos mercados. No Brasil, o mês foi marcado pela decisão do COPOM de reduzir o ritmo de cortes na taxa Selic de 50 para 25 pontos-base com divergências internas, o que ajudou a elevar a incerteza no mercado local.
      Em suma, os índices de ações globais tiveram desempenhos positivos (S&P 4.8% e Topix 1.1%), o dólar se enfraqueceu (DXY -1.5%) e as taxa de juros fecharam (UST 10y -18bps). No local, em contrapartida, os ativos tiveram performances negativas (IBOV -3.0%, USDBRL 1.0% e DI jan26 +15bps). O fundo registrou ganhos em bolsas e em commodities. Do lado negativo, foram observadas perdas no real e na renda fixa local.

      Posicionamento: Em maio aumentamos nossa exposição em bolsas internacionais. No mercado de juros, aumentamos nossa posição aplicada em juros do Canadá, que se beneficiou com a efetivação do corte e um comunicado dovish do BoC já na primeira semana de junho. No mercado de câmbio, aumentamos as posições vendidas no Euro e no Yuan chinês. No mercado de crédito, mantemos nossa convicção na Argentina. Por fim, no Brasil, aumentamos nossa posição aplicado na parte intermediária da curva de juros nominal.

  • GEOCAPITAL

    GEOCAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

  • GENOA CAPITAL

    GENOA

    • COMENTÁRIO GERAL

      Os mercados globais apresentaram comportamento mais tranquilo em maio. Nos EUA, houve pouca alteração na percepção sobre o início e a intensidade dos cortes de juros este ano. No Brasil, tivemos outro mês agitado, com piora dos ativos locais. A aguardada decisão do Copom teve um desfecho bastante desfavorável. No âmbito fiscal, temos receios crescentes.

    • GENOA CAPITAL CRUISE PREV ICATU FIC FIM - 42.535.455/0001-51

      (Maio)

      As principais contribuições negativas para a rentabilidade do mês vieram das posições aplicadas nos juros nominais do Brasil e compradas na moeda local. Também foram detratoras, em menor magnitude, as apostas vendidas no yuan chinês. Contribuiram positivamente as posições compradas nas moedas da Austrália e do México, e as aplicadas nos juros mexicanos.
      No Brasil, estamos comprados no real contra o dólar americano e aplicados nos juros nominais. No mercado global, estamos vendidos no euro contra o dólar americano e comprados no dólar australiano, também contra o dólar. Mantemos apostas táticas nos juros nominais do Chile e do México. Estamos tomados nos juros da Austrália e do Japão, e aplicados nos juros da Europa. Não temos posição direcional em ações nos EUA e no Brasil. A carteira comprada é composta majoritariamente por empresas brasileiras dos setores financeiro, de consumo, de utilidades públicas e saúde, e por empresas americanas do setor de tecnologia da informação. Estamos vendidos nos setores de alimentos e bebidas e de seguros, e mantemos proteções em índices globais.

  • GIANT STEPS CAPITAL

    GIANT STEPS CAPITAL

    • GIANT PREV ICATU I FIE FIC FIM - 35.927.113/0001-11

      (Maio)

      Atribuição de Performance
      O fundo terminou o mês de maio com resultado neutro. Os principais ganhos vieram das posições compradas em bolsa americana. As principais detratoras de performance foram as posições compradas em dólar contra uma cesta de moedas e compradas em commodities agrícolas e energéticas.
      Posicionamento Atual
      O fundo começa junho comprado em dólar contra uma cesta de moedas, comprado em bolsa local e equities offshore, e tomado em juros locais e offshore. No book de commodities, o fundo inicia o mês com viés comprado, com destaque para petróleo e café.

  • GUEPARDO INVESTIMENTOS

    GUEPARDO

    • GUEPARDO ICATU QUALIFICADO 100 PREVIDÊNCIA FIE TIPO 1 FIC FIM - 45.605.046/0001-72

      (Maio)

      O fundo obteve uma rentabilidade negativa, porém melhor que o benchmark. O fundo rendeu -1,3% vs -3,0% do Ibovespa. No mês de maio, apenas duas empresas obtiveram retornos positivos e o restante obteve retorno negativo. No mês de maio algumas empresas do porfolio tiveram retornos positivos, porém outras com o retorno negativo fizeram com que a rentabilidade do mês terminasse negativa. Conforme falamos no mês anterior, o caixa que fizemos nos últimos meses de 2023 e no início de 2024 foram utilizados nessas oportunidades. Estamos muito confortáveis com os investimentos no longo prazo, nos aproveitando dessa volatilidade para reduzir ou aumentar de forma pontual em diversas empresas.

  • HIX CAPITAL

    HIX CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      A deterioração do ambiente externo manteve a aversão ao risco nos mercados financeiros, este mês de maio. Nos EUA, os sinais de desaceleração econômica e visão mais otimista do CPI, reforça a perspectiva de corte de juros – porém não houve uma mudança significativa na forma como o mercado prevê os cortes, a observar a treasury de 10 anos caiu de 4,7% para 4,5%.
      Enquanto isso no Brasil, Copom reduziu a Selic em 25 bps, com as taxas de longo prazo (NTN-B 2035) encerrando maio em 6,1% – ainda acima de março e fevereiro. No entanto, o Ibovespa, influenciado pelos juros e resgates de fundos de ações locais, recuou 3,0%. Embora investidores estrangeiros tenham sido compradores líquidos em maio, o fluxo de saída no ano totaliza R$ 34,2 bilhões. A temporada de balanços do 1T24 apresentou resultados alinhados às expectativas, com destaque para o forte desempenho das empresas domésticas.
      Consideramos que as empresas do portfólio da HIX possuem operações bem estruturadas, balanço sólido, time de gestão competente, barreiras de entrada e vantagens competitivas. As maiores posições compradas são: Orizon (14,83%); Eneva (14,60%); e Boa Safra (8,33%).

    • HIX ICATU PREVIDENCIÁRIO LONG ONLY QUALIFICADO FIC FIM 100 - 29.800.227/0001-01

      (Maio)

      O HIX Icatu PREV, encerra maio com retorno de -0,77%, enquanto o Ibovespa fechou em -3,04% e o índice small em -3,38%. Nos últimos 12 meses, o HIX PREV apresenta um retorno de +13,05%, enquanto o Ibovespa está abaixo com +12,70% e o índice Small em -4,39%.
      As maiores contribuições de performance do fundo foram Orizon com +0,81%, seguido de Meliuz com +0,41% e Hapvida com +0,31%. Em contrapartida, contribuíram negativamente, Boa Safra -0,93%, Plano e Plano em -0,83% e Iguatemi em -0,22%.
      Seguimos otimistas, principalmente em relação às empresas do nosso portfólio, cujo perfil equilibrado, diversificado, pouco alavancadas, líquido e sem concentrações excessivas, retratam empresas de alta qualidade.

  • IBIUNA INVESTIMENTOS

    IBIUNA

    • COMENTÁRIO GERAL

      O mês de maio solidificou nos mercados globais a percepção de espaço exíguo para quedas de juros no mundo desenvolvido esse ano. Neste contexto, o debate econômico voltou a focar na possiblidade de que a taxa de juros neutra nos EUA esteja significativamente mais elevada do que o patamar estimado para o período pré-pandemia, o que explicaria em parte o baixo impacto do aperto monetário implementado nos últimos dois anos. A implicação para mercados é que, diante da dificuldade de se estimar a taxa de juros neutra, o Banco Central americano provavelmente se moverá de maneira cautelosa e sem pressa em um eventual início do ciclo de cortes de juros, o que só deve ocorrer em dezembro. Na atual conjuntura, o Fed cortou espaçadamente os juros em 75 pontos base e, com pequena variação, estacionou o nível de juros em 5,25-5,50% por quase 3 anos. Se o orçamento total de cortes nos EUA nos próximos 12 meses se assemelhar a isto, o espaço para relaxamento monetário no resto do mundo também será mais comedido. Esta situação têm levado à percepção de que os juros ficarão “altos” indefinidamente, o que mitiga a perspectiva alentada no início do ano de um impulso relevante a ativos de risco no mundo a partir de um ciclo profundo de alívio monetário pelo Fed.
      Mesmo com uma reavaliação de espaço total para cortes, seguimos vendo valor no tema de dessincronização de ciclos de queda de juros: grande parte de economias tanto no mundo desenvolvido como emergente mostra trajetória benigna da inflação sem a força e resiliência da economia americana, e demanda um relaxamento de condições monetárias antes do que provavelmente ocorrerá nos EUA. Banqueiros centrais da Europa, Inglaterra, Canadá, entre outros têm enfatizado que sua condução da política monetária deve mirar condições locais e o compromisso com sua meta de inflação, sendo afetada, mas não estando diretamente atrelada ao ciclo prospectivo dos EUA. Nesse contexto, estamos focados na busca de oportunidades associadas tanto a esse espaço exíguo para cortes no G10 como na diferenciação de ciclos como tema de investimentos particularmente em juros e moedas.
      A perspectiva de ventos externos menos favoráveis pega o Brasil em posição de crescente fragilidade em seus fundamentos. Em maio, também a âncora monetária passou a ser questionada diante da postura mais flexível dos indicados pelo Governo Lula na última reunião do Copom. Como eles serão a maioria na direção do BC a partir de janeiro, o receio é que essa postura aponte para uma autoridade monetária mais leniente com a inflação no médio prazo. O efeito desses eventos sobre a taxa de câmbio e expectativas de inflação levou a uma reprecificação para a trajetória futura da taxa Selic. Junto com a perspectiva de menos cortes globais de juros, aumentou significativamente a probabilidade de que o ciclo de juros no Brasil tenha terminado e que vejamos a Selic parada em 10,5% indefinidamente. Essa situação provavelmente exacerbará o ruído em torno da condução da política econômica no futuro próximo, o que nos deixa bastante cautelosos com o posicionamento em ativos do país.

    • IBIUNA PREV ICATU FIC FIM - 18.041.877/0001-96

      (Maio)

      Nesse contexto, a estratégia macro detém como principais posições: na renda fixa no Brasil, temos posições aplicadas em juros reais, compradas em inflação implícita e trades de valor relativo nas curvas de juro real e de implícitas. No exterior, mantemos o risco alocado a posições tomadas no Japão e nos EUA, e aplicadas em alguns países desenvolvidos e emergentes diante da perspectiva de dessincronização de ciclos de quedas de juros vs. os EUA. Em moedas, temos posição vendida no Real, em moedas asiáticas de baixo rendimento e comprado em moedas de carrego ao mesmo tempo em que seguimos buscando oportunidades através de trades táticos que explorem alavancagem via opções de curto prazo. Na renda variável, reduzimos a exposição a índices futuros de ações nos EUA e Europa e nosso time de equities mantém exposição a ações brasileiras mirando a captura de alfa puro via posições long-short não direcionais. Seguimos também com a alocação de risco aos livros de crédito, com posições no Brasil e em emergentes geridas por nosso time de crédito corporativo; e ao livro sistemático, explorando estratégias geridas por nosso time quantitativo.

  • ICATU VANGUARDA

    ICATU VANGUARDA

    • COMENTÁRIO GERAL

      A dificuldade de se prever os desdobramentos da inflação e da atividade econômica após diversos choques que atingiram tanto a oferta quanto a demanda, por conta da pandemia, tornou os bancos centrais mais dependentes do comportamento dos dados e menos confiantes em suas projeções do futuro. Essa dependência dos dados, aliada à ansiedade dos participantes de mercado em prever os próximos passos da autoridade monetária, produz um aumento da volatilidade diante das divulgações dos dados.
      Os últimos meses foram uma amostra dessa volatilidade no mercado de juros. Os dados piores de inflação e a pujança da atividade econômica levantaram questionamentos quanto à restritividade da política monetária. No mês de maio, parte dessas preocupações foram revertidas, por conta de dados mais benignos de inflação e surpresas negativas da atividade econômica.
      Embora não se tenha a inflação na meta do Fed, os números são mais próximos do que há alguns meses, o que possibilita o banco central norte-americano preocupar-se com o mandato de emprego, que tivera menor peso nas decisões quando a inflação estava mais alta. O maior equilíbrio entre os dois mandatos torna menos provável que o Fed volte a subir juros. É importante continuar acompanhando os dados de inflação e de mercado de trabalho.
      Ainda é mais provável que o próximo movimento seja de queda, embora a pergunta do quando tenha atormentado o mercado ao longo dos últimos meses, em especial nos EUA. Entre os desenvolvidos, há países onde o ciclo de cortes é mais claro, como na Zona do Euro, onde a atividade econômica dá sinais claros de deterioração.
      Os ventos mais favoráveis do exterior não impediram a elevação significativa dos prêmios de risco dos ativos brasileiros. A fim de conter o movimento de deterioração nas expectativas de inflação, o Banco Central reduziu o ritmo de corte de juros de 50 pontos base para 25, contrariando o forward guidance da penúltima reunião. Mas, o efeito foi contrário ao pretendido.
      O principal motivo foi a dissidência nos votos do COPOM, onde a composição dos votos levantou dúvidas do mercado quanto à condução de política monetária após a mudança na presidência da autoridade monetária no fim do ano, quando a maioria do comitê será formada por membros indicados pelo governo. A grande preocupação é se serão mais tolerantes com desvios da inflação em relação à meta.
      A desancoragem adicional das expectativas, que até então era creditada em maior parte aos desdobramentos do cenário externo, foram alimentadas pelos imbróglios domésticos. A discussão política, não só no Banco Central, foi foco dos mercados durante o mês. Mais sinais de intervencionismo por parte do governo foram dados, com a substituição do presidente da Petrobras motivada pelos embates envolvendo os dividendos extraordinários da empresa, o que contribuiu para deterioração dos preços dos ativos.
      Recuperar, ainda que parcialmente, a credibilidade perdida terá um custo alto. Diante desse contexto, é provável que o Banco Central mantenha a Selic estável na próxima reunião. Será importante acompanhar a composição dos votos para verificar o compromisso com as expectativas dos membros do comitê.

    • ICATU VANGUARDA DIVIDENDOS FIA PREVIDENCIÁRIO - 36.617.562/0001-26

      (Maio)

      O fundo Icatu Vanguarda Dividendos tem como principais participações: ITUB4 – Itaú (8,4%), PETR4 – Petrobrás (7,5%) e ELET3 – Eletrobras (5,7%).

    • ICATU VANGUARDA FIC FI RF PLUS PREV - 04.223.291/0001-38

      (Maio)

      No mês o IV RF PLUS FIE rendeu 0,77%, contra 0,83% do CDI. Nos últimos 12 meses, o fundo acumula retorno de 12,0%, contra 12,0% do CDI. O produto é destinado a clientes que buscam investir em previdência privada, estando enquadrado à resolução 4.993 do CMN, e tem por objetivo entregar retornos superiores ao CDI através da alocação em ativos de crédito privado e renda fixa.
      Em relação à parcela de risco de mercado, maio foi marcado pelo aumento das inflações implícitas, via abertura de juros nominais e fechamento de juros reais. Apesar de os dados de inflação estarem confirmando a desinflação, mesmo que lentamente, o COPOM decidiu por desacelerar o passo de redução dos juros para 25 bps e adotar uma abordagem dependente de dados para as próximas reuniões. A decisão foi dividida, com membros indicados pelo governo anterior votando pela desaceleração, enquanto membros indicados pelo atual governo votando pela manutenção do forward guidance de 50 bps adotado no COPOM anterior. Tal fato somado às incertezas quanto ao início de corte de juros nos EUA e quanto às perspectivas fiscais brasileiras, geraram desconfiança no mercado em relação ao cumprimento das metas de inflação estabelecidas pelo CMN, com efeito altista nas expectativas de inflação e de Selic medidas pelo boletim FOCUS. O mercado de juros futuro passou a operar com prêmio de alta de juros já para o segundo semestre deste ano. Tendo em vista este cenário mais desafiador e níveis elevados de juros reais, mantivemos a posição aplicada nestes e operamos taticamente os juros nominais, aproveitando a volatilidade para aumentar e reduzir tamanho.

    • ICATU VANGUARDA FOF FI MM PREV CRÉD PRIV - 33.520.911/0001-07

      (Maio)

      Trata-se de um fundo multi classe e multi gestor com gestão ativa. A gestão ativa é responsável por escolher as melhores oportunidades entre as grandes classes de ativos existentes, decidir os pesos/tamanhos em cada classe (periodicidade trimestral e anual) e decidir os melhores gestores em cada um destes segmentos. Os pesos entre as diferentes classes de ativos assim como os gestores escolhidos variam com o tempo de acordo com parâmetros qualitativos, quantitativos e analises macro econômicas fundamentalistas. No mês o fundo rendeu -0,22% e em 12 meses a rentabilidade acumulada é de 8,55%

    • ICATU VANGUARDA HEDGE FI MM PREV - 28.557.920/0001-24

      (Maio)

    • ICATU SEG GLOBAL EQUITY INCOME 10 FI MM PREVIDENCIÁRIO- 28.557.951/0001-85

      (Maio)

      No mês o fundo rendeu 1,28% e nos últimos 12 meses apresentou um rendimento de 9,07%. A parcela de inflação curta, que representa aproximadamente 90% encerrou o mês de maio com yield real médio de 6,87% e duration de 1,85 anos. A contribuição do IPCA para a rentabilidade das NTN-Bs foi de 0,41% no mês e 2,34% no ano.

    • ICATU SEG DURATION FI RF - 04.511.286/0001-20

      (Maio)

      No mês o ICATU SEG DURATION FIRF rendeu 0,43%. Nos últimos 12 meses, o fundo acumula retorno de 7,26%, contra 3,87% do IPCA.
      Em relação à parcela de risco de mercado, maio foi marcado pelo aumento das inflações implícitas, via abertura de juros nominais e fechamento de juros reais. Apesar de os dados de inflação estarem confirmando a desinflação, mesmo que lentamente, o COPOM decidiu por desacelerar o passo de redução dos juros para 25 bps e adotar uma abordagem dependente de dados para as próximas reuniões. A decisão foi dividida, com membros indicados pelo governo anterior votando pela desaceleração, enquanto membros indicados pelo atual governo votando pela manutenção do forward guidance de 50 bps adotado no COPOM anterior. Tal fato somado às incertezas quanto ao início de corte de juros nos EUA e quanto às perspectivas fiscais brasileiras, geraram desconfiança no mercado em relação ao cumprimento das metas de inflação estabelecidas pelo CMN, com efeito altista nas expectativas de inflação e de Selic medidas pelo boletim FOCUS. O mercado de juros futuro passou a operar com prêmio de alta de juros já para o segundo semestre deste ano. Tendo em vista este cenário mais desafiador e níveis elevados de juros reais, mantivemos a posição aplicada nestes e operamos taticamente os juros nominais, aproveitando a volatilidade para aumentar e reduzir tamanho.

    • ICATU SEG PRIVILEGE RF FICFI - 09.321.515/0001-68

      (Maio)

      No mês o fundo rendeu 0,80% em comparação a 0,83% do CDI. Nos últimos 12 meses, a performance do fundo foi de 12,21%, enquanto a do CDI foi de 12,01%. A parcela de crédito é composta principalmente pelo investimento em cotas do fundo Wm Renda Fixa Prev. CP, representando aproximadamente 24% do patrimônio fundo. O Wm Renda Fixa Prev. CP encerrou o mês com uma carteira de crédito com yield médio de 1,97% e duration de 2,32 anos.

    • ICATU VANGUARDA MULTIESTRATÉGIA MODERADO FC DE FI MM PREV - 04.223.314/0001-04

      (Maio)

    • ICATU VANGUARDA MULTIESTRATÉGIA ARROJADO FIC FIM PREV - 03.537.456/0001-83

      (Maio)

      O Fundo Multimercado tem objetivo de gerar retorno real atrativo no longo prazo. O fundo terá alocação ativa em bolsa, variando de 40% a 49% do PL. Anteriormente, o fundo ficava estático em 49%. Agora temos a liberdade de transitar neste range de acordo com nossa convicção. Toda parcela de bolsa continuará alocada na estratégia dividendos.
      A Parcela de Renda Fixa / Multimercado: anteriormente, o fundo possuía uma alocação estática de 80% em inflação curta (IMA-B 5). De agora em diante, a gestão será ativa nesta parcela, transitando entre inflação curta, inflação longa, crédito CDI e multimercados macro.

    • ICATU VANGUARDA MINHA APOSENTADORIA 2030 FIC FIM PREV - 07.190.746/0001-54

      (Maio)

      Data alvo é estratégia de investimentos onde o portfólio é montando visando a utilização de recursos em uma data futura. A gestão do Fundo funciona como um piloto automático para o investidor.
      A Icatu Vanguarda fica encarregada de ajustar a composição da carteira do Fundo no decorrer do tempo, rebalanceando anualmente, visando adequar os investimentos ao prazo remanescente.
      Focamos nas decisões de investimentos, não sendo influenciado por movimentos de curto prazo e tornando o produto bastante eficiente por eliminar a necessidade de migração de produto ao longo da vida.
      No ano de 2024 a alocação do portfólio é de aproximadamente: 14% em Renda Variável, 7% em inflação longa, 36% em inflação curta, 4% em pré-fixado, 4% exterior e 35% em CDI.

    • ICATU VANGUARDA MINHA APOSENTADORIA 2040 FIC FIM PREV - 07.190.735/0001-74

      (Maio)

      Data alvo é estratégia de investimentos onde o portfólio é montando visando a utilização de recursos em uma data futura. A gestão do Fundo funciona como um piloto automático para o investidor.
      A Icatu Vanguarda fica encarregada de ajustar a composição da carteira do Fundo no decorrer do tempo, rebalanceando anualmente, visando adequar os investimentos ao prazo remanescente.
      Focamos nas decisões de investimentos, não sendo influenciado por movimentos de curto prazo e tornando o produto bastante eficiente por eliminar a necessidade de migração de produto ao longo da vida.
      No ano de 2024 a alocação do portfólio é de aproximadamente: 35% em Renda Variável, 22% em inflação longa, 27% em inflação curta, 5% em pré-fixado e 10% em CDI.

    • ICATU VANGUARDA MINHA APOSENTADORIA 2050 FIC FIM - 35.636.610/0001-60

      (Maio)

      Data alvo é estratégia de investimentos onde o portfólio é montando visando a utilização de recursos em uma data futura. A gestão do Fundo funciona como um piloto automático para o investidor.
      A Icatu Vanguarda fica encarregada de ajustar a composição da carteira do Fundo no decorrer do tempo, rebalanceando anualmente, visando adequar os investimentos ao prazo remanescente.
      Focamos nas decisões de investimentos, não sendo influenciado por movimentos de curto prazo e tornando o produto bastante eficiente por eliminar a necessidade de migração de produto ao longo da vida.
      No ano de 2023 a alocação do portfólio é de aproximadamente: 61,00% em Renda Variável, 18% em inflação longa, 11% em Total Return, 5% em CDI e 2% pré-fixado.

    • ICATU VANGUARDA FIC FI RF INFLAÇÃO LONGA PREV - 04.228.716/0001-00

      (Maio)

      O fundo encerrou o mês de maio com yield real médio de 6,16% e duration de 10,47 anos. A contribuição do IPCA para a rentabilidade das NTN-Bs foi de 0,41% no mês e 2,34% no ano.

    • ICATU VANGUARDA FIC FI RF INFLAÇÃO CURTA PREV - 12.823.627/0001-21

      (Maio)

      O fundo encerrou o mês de maio com yield real médio de 6,87% e duration de 1,85 anos. A contribuição do IPCA para a rentabilidade das NTN-Bs foi de 0,41% no mês e 2,34% no ano.

    • ICATU VANGUARDA PÓS FIXADO FIRF PREV - 33.520.901/0001-63

      (Maio)

      Fundo de baixíssima volatilidade que investe em LFT’s. O fundo é adequado para clientes com perfil extremamente conservador, ou que tenham interesse em preservar o capital em momentos de incertezas econômicas.

    • ICATU VANGUARDA ABSOLUTO FIRF CP PREV - 21.494.444/0001-09

      (Maio)

      No mês o IV Absoluto FIE rendeu 0,89%, contra 0,83% do CDI. Nos últimos 12 meses, o fundo acumula retorno de 14,2%, contra 12,0% do CDI.
      O produto é destinado a clientes que buscam investir em previdência privada, estando enquadrado à resolução 4.993 do CMN, e tem por objetivo entregar retornos superiores ao CDI através da alocação em ativos de crédito privado.
      A carteira de crédito, que representa 70% do patrimônio do fundo, possui um spread de 2,02% acima do CDI e duration de 2,46 anos.

    • ICATU VANGUARDA ABSOLUTO PLUS QUALI FIRF CP PREV - 45.444.101/0001-90

      (Maio)

      No mês o IV Absoluto Plus FIRF rendeu 0,78%, contra 0,83% do CDI. Em 12 meses o fundo acumula retorno de 14,3%, contra 12,0% do CDI.
      O produto é destinado a clientes que buscam investir em previdência privada, estando enquadrado à resolução 4.993 do CMN, e tem por objetivo entregar retornos superiores ao CDI através da alocação em ativos de crédito privado. O fundo é destinado a Investidores Qualificados.
      A carteira de crédito, que representa 82% do patrimônio do fundo, possui um spread de 2,22% acima do CDI e duration de 2,44 anos.

    • ICATU VANGUARDA ABSOLUTO II FIRF CP PREVIDENCIÁRIO - 46.685.502/0001-02

      (Maio)

      No mês o IV Absoluto II FIE rendeu 0,85%, contra 0,83% do CDI. Em 12 meses o fundo acumula retorno de 14,2%, contra 12,0% do CDI.
      O produto é destinado a clientes que buscam investir em previdência privada, estando enquadrado à resolução 4.993 do CMN, e tem por objetivo entregar retornos superiores ao CDI através da alocação em ativos de crédito privado.
      A carteira de crédito, que representa 71% do patrimônio do fundo, possui um spread de 1,84% acima do CDI e duration de 2,24 anos.

    • ICATU VANGUARDA IGARATÉ FIM PREV - 46.192.463/0001-01

      (Maio)

      Fundo cuja estratégia que se utiliza primordialmente de renda variável para obter retornos nominais expressivos no médio e longo prazo. O objetivo é performar acima dos principais índices de bolsa no longo prazo com preocupação de proteção de capital, atuando de forma ativa no tamanho de exposição líquida, variando de 0 a 100% ao longo do tempo. Temo uma grande preocupação com drawdowns e perdas expressivas, ou seja, a preservação de capital é extremamente relevante na confecção do portfólio. No mês o fundo rendeu 0,22%, contra -3,18% do IBRx. Em 12 meses o fundo acumula retorno de 12,05%, contra 13,24% do IBRX.

    • ICATU SEG FICFI PRIVILEGE CONSERVADOR RF - 16.557.835/0001-87

      (Maio)

      O fundo compra cotas do fundo Icatu Seg FI RF Conservador Previdenciário (10.157.661/0001-89) que é gerido pela Icatu Vanguarda. O fundo máster compra basicamente títulos públicos pós-fixados e possui baixa exposição a crédito privado e títulos com risco de mercado. No mês o fundo rendeu 0,79% e nos últimos 12 meses 11,70%.

    • ICATU SEG BRASIL TOTAL FICFI MM - 12.053.727/0001-16

      (Maio)

      Esse fundo é um multimercado arrojado. Ele busca obter rentabilidade através de operações realizadas, preponderantemente, no mercado de títulos públicos de renda fixa emitidos pelo Tesouro Nacional atrelados ao IPCA (NTN-Bs) com vencimentos longos, e no mercado de derivativos de renda variável, com o limite de 49%. Com isso, o Fundo é indicado para clientes que buscam “comprar” o risco Brasil para o longo prazo, através da indexação em inflação e alocação em bolsa. No mês o fundo rendeu
      -0,45% e em 12 meses a rentabilidade acumulada é de 1,84%.

    • ICATU VANGUARDA ABSOLUTO TOTAL RETURN FIRF CP PREVIDENCIÁRIO - 46.762.380/0001-00

      (Maio)

      No mês o IV Absoluto TR FIE 1,14%. Em 12 meses o fundo acumula retorno de 10,2%, contra 12,0% do CDI. O portfólio de crédito privado é composto por 104 emissores diferentes, cuja exposição média representa 0,64% do patrimônio. Esta carteira apresenta spread médio de crédito de 1,89% e duration de 2,51 anos.
      O produto é destinado a clientes que buscam investir em previdência privada, estando enquadrado à resolução 4.993 do CMN. O Fundo tem como objetivo entregar retorno real (acima da inflação) no médio prazo e superior aos principais índices de curto prazo de renda fixa (CDI e IMAB5) através de todos os instrumentos de Renda Fixa existentes (título público, título privado, derivativos, juros, inflação, etc). Em função da filosofia do produto, o mesmo terá uma flexibilização bastante elevada na utilização de risco e de classe de ativos, tornando o produto atemporal.
      Na parcela de risco de mercado, operamos de acordo com as nossas convicções nas expectativas de juros e inflação futuras.

    • ICATU VANGUARDA HEDGE FI MM PREV - 28.557.920/0001-24

      (Maio)

  • INDIE CAPITAL

    INDIE ICATU PREV FIM

    • INDIE ICATU PREV FIM - 29.732.967/0001-40 & INDIE 100 ICATU PREV FIC FIM 35.844.884/0001-45

      (Maio)

      Em maio, os ativos de risco brasileiros apresentaram rentabilidade negativa, influenciados pelas indicações do FED sobre a manutenção de taxas de juros elevadas por mais tempo nos Estados Unidos e por sentimento doméstico adverso decorrente de desafios fiscais e ruídos políticos.
      O S&P 500 encerrou o mês com performance de 4,8% em dólares, impulsionado por resultados positivos das empresas de tecnologia, enquanto o Ibovespa e o Índice Small Cap (SMLL) encerraram o período com quedas de, respectivamente, -3,0% e -3,4%.
      Os setores que mais impactaram negativamente a performance do fundo foram energia, bens de capital e logística, enquanto o setor de consumo foi o principal contribuinte, seguido por utilidades públicas.
      Em relação às alterações no portfólio, reinvestimos em Copel, diante de retornos projetados atrativos, opcionalidades de alocação de capital e diversificação de risco em relação às demais empresas do setor em que já investimos. Aumentamos marginalmente a exposição a teses existentes, como Itaú e Neoenergia.
      Encerramos o investimento em uma empresa do setor de energia renovável, devido ao seu retorno projetado atual ser semelhante ao de outras empresas do setor, que são menos alavancadas e, portanto, menos expostas a um cenário macro desafiador. Também zeramos posição em Localiza, posição que já vínhamos reduzindo, devido à falta de visibilidade da dinâmica de preços de seminovos, que podem impactar de forma material seus resultados.
      A composição setorial do portfólio permanece similar à do mês anterior, com exceção do setor de logística, devido ao desinvestimento mencionado.
      Entendemos que os retornos da bolsa nesse ciclo de alta de juros global seguem desafiadores. Dito isso, o retorno prospectivo estimado da nossa carteira, considerando o spread com o custo de capital, segue significativamente acima da média histórica em mais de 11 anos de fundo. O portfólio encerrou o mês com uma alocação de 2,6% em caixa.

  • INTEGRAL INVESTIMENTOS

    INTEGRAL ICATU PREV FIRF CP

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • INTEGRAL ICATU PREVIDENCIÁRIO FI RF CP- 33.588.888/0001-84

      (Maio)

       

  • INTER ASSET

    INTER

    • INTER CONSERVADOR ICATU SEG PREV FIM CRED PRIV- 25.098.148/0001-31

      (Maio)

      A carteira de crédito do fundo contribuiu, em sua maioria, com resultados superiores ao benchmark. Os destaques do mês em termos de fechamento de spreads foram debêntures da Simpar, Rede D’Or, Rodovias do Brasil e letras financeiras do Bradesco, com rendimentos superiores a 130% do CDI. Além disso, o fundo foi positivamente impactado pelo efeito do resultado do Leilão Reverso da Americanas. Essa foi a forma de pagamento escolhida pela gestão no âmbito da Recuperação Judicial da Americanas, com recuperação de aproximadamente 23,5%. Esse recovery é superior ao que o papel estava marcado anteriormente, contribuindo com um ganho de 7% do CDI para o fundo. No entanto, debêntures do setor de saúde trouxeram impacto negativo, consumindo parte do resultado do restante da carteira de crédito. Além disso, ativos de elevada qualidade de crédito, mas cujas taxas haviam se reduzido fortemente nos últimos meses, passaram por algum ajuste em maio. Exemplos desse último grupo incluem debêntures da NTS e Neoenergia. Atualmente, a carteira do fundo é 72% formada por ativos AAA e 89% por ativos com rating igual ou superior a AA. O carrego da carteira de crédito está no patamar de CDI + 1,28% a.a. e a duration em 2 anos.

    • INTER SELECTION ARROJADO PREVIDENCIÁRIO ICATU FIM CP - 36.620.025/0001-35

      (Maio)

      Enquanto as bolsas globais apresentaram resultados positivos, o índice Ibovespa teve uma queda de -3,04% durante o período. Esse desempenho foi influenciado por questões específicas do cenário interno. Por sua vez, nosso fundo Inter Arrojado Prev apresentou um retorno negativo de -1,21%, porém superou o Ibovespa em 1,83%.
      A classe de juros foi um dos principais impulsionadores da performance no mês, com retornos superiores a 100% do CDI tanto nos vértices de curto prazo quanto nos de longo prazo. Além disso, a alocação em fundos de crédito privado, parte da estratégia de alocação de caixa, também contribuiu positivamente.
      No que diz respeito aos fundos de Renda Variável, observamos que os fundos das gestoras Brasil Capital, Studio e Inter Asset tiveram um desempenho que gerou alfa para a carteira. No entanto, a alocação em Athena e a participação no ETF BOVA11 tiveram retornos abaixo e em linha com o índice, respectivamente.
      Durante o mês de Maio, não realizamos mudanças na composição da carteira, mantendo a estratégia de investimento anterior.

    • INTER SELECTION TOP PREVIDÊNCIA ICATU FIM CP - 32.811.956/0001-60

      (Maio)

      O fundo apresentou uma performance positiva no mês de maio, fechando o mês com 1,01% contra 0,33% do IHFA. No acumulado de 2024, o fundo tem gerado alfa e apresenta um retorno de 1,54% contra -0,50% do IHFA.
      O selection macro prev vai deixar de ser um FOF investido puramente em fundos multimercado, e passará a adotar uma estratégia de renda fixa ativa, buscando retorno superior ao CDI com uma volatilidade reduzida quando comparada com os fundos macro. Para adequar a carteira do fundo a nova estratégia, realizamos uma série de resgates nos fundos investidos durante o mês de maio.
      Os fundos que compõe a carteira do Inter Selection Macro Prev apresentaram resultados positivos durante o mês, com 9 dos 10 fundos investidos apresentado performance superior ao IHFA, e apenas 1 dos 10 fundos investidos apresentou resultado negativo durante o mês. Os destaques positivos durante o mês foram os fundos inter ativa, JGP e Ace capital prev, com performance de 0,83%, 1,08% e 1,02% respectivamente (responsáveis por 0,45%, 0,03% e 0,06% da performance positiva). Como destaque negativo, temos apenas o Genoa Capital Prev, com retornos de -0,36% (responsável por -0,01% de performance negativa).

  • IP CAPITAL PARTNERS

    IP CAPITAL PARTNERS

    • IP PREVIDENCIA ICATU QUALIFICADO FIC FIM - 39.723.078/0001-70

      (Maio)

       

       

       

  • JGP

    JGP

    • COMENTÁRIO GERAL

      (Maio)

    • JGP PREV MULTIMERCADO ICATU SEGUROS FIC FIM - 38.015.773/0001-14

      (Maio)

    • JGP AÇÕES ESG 100 PREVIDENCIÁRIO ICATU SEGUROS FIC FIA - 35.807.793/0001-30

      (Maio)

  • KADIMA ASSET MANAGEMENT

    KADIMA ASSET MANAGEMENT

    • COMENTÁRIO GERAL

      Durante o processo de desenvolvimento e seleção dos algoritmos que utilizamos na gestão de nossos fundos, buscamos aqueles que consigam gerar retorno de longo prazo consistente com o risco assumido. Faz parte deste processo a busca pela minimização de perdas em períodos de menor aderência dos modelos, isto é, durante os cenários de mercado desfavoráveis em relação aos drivers de performance das estratégias que compõem o portfólio dos fundos. Isso significa que buscamos depender o mínimo possível de cenários diversos nos mercados operados, ainda que evidentemente existam momentos melhores e piores para cada uma das estratégias.

    • ICATU KADIMA FIE PREV FIC FIM CP - 15.862.867/0001-23

      (Maio)

      O Icatu Kadima FIE Prev acumula uma rentabilidade desde o início de +185,76% (contra +162,19% do CDI). Nos últimos 12 meses, o fundo apresentou rentabilidade de +6,20% (contra +12,01% do CDI). Em 2024, o fundo acumula rentabilidade de +0,46% (contra +4,40% do CDI).

      A principal contribuição positiva para o desempenho do fundo durante o mês de Maio foi o modelo seguidor de tendências de curto prazo em índice e com ganhos marginais em dólar.
      No lado negativo, o Modelo de Fatores na versão long-short em renda variável no Brasil foi o principal detrator do mês. A ponta short em futuro de Ibov apresentou resultado positivo, contudo, as perdas da carteira comprada em ações fizeram com que o resultado agregado do modelo fosse negativo. Por fim, o modelo seguidor de tendências de curto prazo em DI também apresentou resultado negativo.

      O fundo segue com alocações que visam uma otimização do portfólio de modelos matemáticos que possuímos, com as devidas restrições de legislação do segmento de previdência aberta. Acreditamos na capacidade do fundo de gerar bons resultados no longo prazo.

  • KAIRÓS CAPITAL

    KAIRÓS CAPITAL

    • KAIRÓS MACRO ICATU PREVIDÊNCIA FIE I FIM - 39.768.903/0001-52

      (Maio)

      No mês de maio voltamos a ver uma recuperação dos ativos de risco. As bolsas se recuperaram da correção de abril, com o S&P 500 atingindo novos recordes, e as moedas se apreciando em relação ao dólar, acompanhando o fechamento da curva de juros americana. Os dados de manufatura e de serviços americanos mais fracos do que esperado, levaram a uma percepção de que o FED ainda poderá cortar a taxa de juros esse ano, apesar de dados do mercado de trabalho ainda resilientes, e núcleos da inflação que parecem estabilizados em um nível acima do que o desejado pelo FED. No Brasil, a inflação de serviços segue preocupando, assim como a questão fiscal, levando o BC a ser mais comedido nos cortes de juros e retirando qualquer indicação para os próximos passos. O mercado local sentiu e não espera mais cortes de juros, o que juntamente com a demissão do presidente da Petrobrás, também levou a bolsa a andar na contramão dos mercados globais.

  • KAPITALO

    KAPITALO

    • KAPITALO K10 GLOBAL ICATU PREVIDENCIÁRIO IQ FIC FI MULTIMERCADO - CNPJ: 41.505.673/0001-80

      (Maio)

      A atividade global segue resiliente e a inflação segue em patamares acima das metas, o que tem deixado os Bancos Centrais cautelosos. As taxas de juros apresentaram leve queda, os ativos de risco subiram e o dólar americano apresentou leve desvalorização.

      Nos EUA, há uma desaceleração moderada da atividade e as medidas de inflação arrefeceram. O Fed manteve a taxa de juros e seguiu indicando que o próximo movimento deve ser de corte, embora haja maior incerteza de quando isso ocorrerá.

      Na Europa, o crescimento e a inflação vieram acima das expectativas, mas o ECB sinalizou que cortará os juros de forma gradual a partir da reunião de junho.

      Na China, a atividade desacelerou após um início de ano forte. O governo anunciou que financiará a compra de imóveis prontos, o que ajudará a reduzir o estoque e melhorar a confiança.

      No Brasil, o BCB reduziu a Selic em 0,25% mas 4 diretores votaram por 0,5%. A inflação corrente segue benigna, mas a elevação expressiva das expectativas, o mercado de trabalho apertado e dúvidas quanto à política fiscal podem levar a uma pausa no ciclo de corte de juros.

      O livro de bolsa teve resultado positivo no mês. Juros, commodities e câmbio foram negativos.

      Seguimos vendidos no EUR, no CNH e no GBP, e comprados no USD, no AUD e no BRL. Adicionamos posições compradas no INR e no MXN e vendidas no SEK e no NZD.

      Mantivemos as compras de açúcar, petróleo, cobre e ouro além das vendas de minério de ferro, prata, soja, café, milho, PGMs e na parte curta da curvatura de petróleo.

      Mantivemos a compra na bolsa brasileira e no NASDAQ, além da venda no índice de small caps americano.

      Seguimos tomados na parte longa de US e na inclinação do Chile, além de aplicados na Suécia, Canadá, Europa, e no juro real do Brasil. Zeramos o aplicado em UK.

    • KAPITALO KAPPA ICATU QUALI PREV I FIC FIM - 42.046.884/0001-65

      (Maio)

      No mês, com dados de inflação e atividade mais fortes, o início que esperávamos do ciclo de corte de juros pelos principais bancos centrais provavelmente foi postergado.

      Nos EUA, acompanhamos dados mais fortes da economia. O FOMC sinalizou que o ciclo de cortes deve demorar mais que o esperado, mas que é improvável nova alta.

      Na Zona do Euro, embora os últimos dados tenham sido fortes, o ECB sinalizou que deve iniciar o ciclo de cortes em junho, pois querem esperar sinais claros de que esses movimentos são apenas pequenos obstáculos.

      Na China, o governo anunciou um programa de compras de casas prontas para transformá-las em habitação acessível às famílias mais pobres, o que deve reduzir 15% do estoque de casas terminadas. Nos dados, vemos a economia perdendo o ímpeto de crescimento do começo do ano.

      No Brasil, maio foi marcado pela tragédia no RS e ainda é difícil estimar o impacto para o PIB. O IPCA de abril apresentou números mais fracos de inflação. No lado fiscal, as receitas seguem firmes. Ainda, o BC cortou a SELIC em 25bps.

      Em relação à performance, contribuíram positivamente as posições em bolsa e negativamente commodities.

      Em juros, temos posições táticas no México, aumentamos posições aplicadas nos EUA e no Reino Unido, reduzimos posições aplicadas no Brasil e na Zona do Euro. Mantivemos posições de curvatura nos EUA e vendida em inflação na Zona do Euro e comprada em inflação nos EUA.

      Em bolsa, mantivemos posições compradas e de valor relativo em ações brasileiras e posições compradas em bolsas globais.

      Em moedas, aumentamos posição comprada no real e vendida no dólar de Hong Kong, reduzimos posições compradas no peso mexicano e vendidas no yuan chinês e no rand sul-africano.

      Em commodities, aumentamos posições compradas no ouro e no petróleo e vendidas na soja, platina e paládio. Mantivemos posição comprada no cobre e no trigo e vendida no alumínio e no minério de ferro.

  • KINEA

    KINEA

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • KINEA PREV XTR II PLANOS ICATU FIC FIM- 34.143.959/0001-06

      (Maio)

      Em maio, as parcelas de ações, commodities e crédito privado foram contribuintes para a performance, enquanto juros e moedas foram detratoras. No Brasil, apesar de: (i) maior preocupação fiscal, agravada pela tragédia no RS, (ii) ruído na troca do comando da Petrobrás, (iii) incerteza gerada pela votação dividida do COPOM e (iv) expectativa de inflação maior, achamos que barra para voltar a subir juro está elevada. No internacional, diminuímos nossas posições aplicadas em Austrália e UK e aplicamos em EUA. Vemos uma assimetria apontando para aumento do desemprego acima do que projeta o Fed. Em bolsa internacional, nossas posições em empresas beneficiadas por inteligência artificial, bem como as no setor aeroespacial e intrasetorial de tecnologia nos beneficiaram. No Brasil, fomos prejudicados no setor de utilidades públicas, mas ajudados pela estratégia long and short. A parcela de commodities andou bem em diversas pontas. A posição comprada em USD foi neutralizado após nova rodada positiva de PMI global, apontando, mesmo que partindo de níveis deprimidos, para uma recuperação global, sobretudo nos países ex-US. Mantemos uma perspectiva positiva em crédito para os próximos meses. Na parcela de juros, estamos aplicados na parte bem curta da curva (jan/25). Seguimos concentrando posição direcionais compradas nas bolsas globais. Permanecemos positivos com metálicas, principalmente ouro, embora tenhamos reduzido posições após a forte performance no mês. Seguimos construtivos com o preço de boi gordo nos EUA e mantivemos as apostas contra os preços de soja e gasolina. Seguimos vendidos em moedas europeias e na chinesa. Como já explicado acima, esta parte short em moedas européias foi reduzido quase pela metade. No caso da moeda chinesa, seguimos vendo a economia sofrendo com desalavancagem de crédito e risco do Trump voltar a Casa Branca. Na ponta comprada, temos posições em moedas de países com juros altos.Para mais informações, consulte nosso vídeo mensal de Multimercados: aqui (https://www.youtube.com/watch?v=PPLx92o9Lmc)

  • LEBLON EQUITIES

    LEBLON EQUITIES

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • LEBLON 100 ICATU PREV FIM - 35.314.803/0001-03

      (Maio)

      ‘Em maio, o fundo teve um retorno de -5,1% contra -3,0% do Ibovespa.

      As principais contribuições positivas foram BRF (+0,5 p.p), Vamos (+0,3 p.p) e Bemobi (+0,2 p.p). Os detratores foram Priner (-1,0 p.p), Mills (-0,9 p.p) e Lojas Renner (-0,8 p.p).

      Ao longo do mês de maio, substituímos a posição em Klabin por Suzano, aumentamos a exposição em Rede D’Or e em Lojas Renner, e reduzimos a participação em BRF.

       

    • LEBLON ICATU PREVIDÊNCIA FIM - 11.098.129/0001-09

      (Maio)

      ‘Em maio, o fundo teve um retorno de -1,1% contra -3,0% do Ibovespa.

      As principais contribuições positivas foram Netflix (+0,2 p.p), BRF (+0,2 p.p) e TSMC (+0,2 p.p). Os detratores foram Priner (-0,4 p.p), Mills (-0,4 p.p) e Lojas Renner (-0,3 p.p).

      Desde o início, em dezembro de 2009, o fundo acumula retorno de 191,8%, o que equivale a um retorno anualizado de 7,7% (Ibov 4,1%).

      Ao longo do mês de maio, substituímos a posição em Klabin por Suzano, aumentamos a exposição em Rede D’Or e em Lojas Renner, e reduzimos a participação em BRF.

       

  • LEGACY CAPITAL

    LEGACY CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      As posições em moedas, vendidas em USD, e o livro de valor relativo, em operações compradas em ativos externos e vendidas em ativos locais, contribuíram positivamente para o resultado, no que foram parcialmente subtraídos pelas perdas nos livros de renda variável local e externa.
      Nosso entendimento permanece de que a atividade econômica global, em especial nos EUA, tende a seguir relativamente estável nos próximos trimestres, e a inflação, num nível desconfortável, que não permitirá quedas de juros a curto prazo. No entanto, a provável continuidade do arrefecimento do mercado de trabalho e de desaceleração da economia devem permitir que FED siga buscando, pacientemente, o ponto em que a flexibilização da política monetária será possível, ainda que nos pareça provável que a redução dos juros seja implementada somente nos últimos meses de 2024.
      No Brasil, a inflação segue girando em torno da meta. Não obstante, a recente piora das expectativas, fruto da volatilidade da taxa de câmbio; da mudança na meta fiscal, e dos recentes tropeços na comunicação do Banco Central, deve impedir novas quedas da taxa de juros.

    • LEGACY CAPITAL PREV ICATU FIC FIM - 37.367.841/0001-41

      (Maio)

      Permanecemos comprados nas carteiras de bolsa externa, ainda que o desempenho das mesmas tenha sido aquém do esperado, nestes últimos meses. As empresas em que investimos seguem saudáveis e com boas perspectivas de crescimento de lucro à frente. Seguimos com exposição neutra a juros externos, tendo em vista que a inflação desconfortável e a atividade econômica estável implicam em um ambiente de range para ativos de renda fixa, de difícil operação.
      No Brasil, os ativos de bolsa seguem bastante descontados, e permanecemos comprados, tendo em vista os múltiplos muito comprimidos.

  • LIS CAPITAL

    LIS CAPITAL

    • LIS ICATU PREV FIM - CNPJ: 37.844.994/0001-32

      (Maio)

      Mesmo com o juro de 10 anos dos Estados Unidos recuando, o fluxo estrangeiro na bolsa foi negativo pelo 5º mês consecutivo, e somado ao ruído fiscal e monetário no Brasil, tivemos mais um mês de queda nos índices acionários. O fundo teve performance melhor que o benchmark, apesar de também negativa, com destaque para os setores de alimentos, logística e bancos. Já os setores que mais contribuíram negativamente foram de produtos para construção e medicamentos. A carteira seria muito beneficiada por um movimento de fechamento de curva de juros no Brasil, devido à grande concentração em empresas domésticas que estão muito descontadas. Recentemente aumentamos ainda mais essas posições, na iminência de um ciclo benéfico para esses ativos com o arrefecimento da inflação e o consequente corte de juros. O fundo tem uma exposição de 95% em ações e o restante em caixa. Além disso, seguindo a estratégia que faz parte da nossa política de hedge constante, o fundo segue protegido com opções de IBOV e SMLL.

  • MILES CAPITAL

    MILES CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • MILES VIRTUS ICATU I PREV FIC FIA - 32.227.268/0001-57

      (Maio)

    • MILES VIRTUS ICATU PREVIDENCIÁRIO QUALIFICADO FIC FIA - 29.275.420/0001-62

      (Maio)

  • MÓDULO CAPITAL

    MÓDULO CAPITAL

    • MÓDULO ICATU PREV FIM - 30.507.620/0001-82

      (Maio)

      Em maio, o Ibovespa teve uma forte desvalorização, divergindo das principais bolsas mundiais. As incertezas sobre a redução das taxas de juros nos EUA continuam a impactar os ativos de risco, especialmente nos mercados emergentes. A desaceleração econômica na China e as incertezas fiscais e monetárias no Brasil também contribuíram para o fechamento negativo do índice. A mudança da meta fiscal para 2025 e a troca na presidência da Petrobras aumentaram a desconfiança dos investidores. Nossos fundos encerraram o mês com uma desvalorização menor que a do Ibovespa. Empresas como Mercado Livre, Hapvida e Amazon contribuíram positivamente, enquanto Santos Brasil, Renner, Hidrovias e Localiza impactaram negativamente. Mantemos uma exposição significativa em setores como Consumo e Varejo, Utilidades Públicas, Tecnologia e Financeiros Diversos. Estamos atentos às oportunidades e confiamos na composição e diversificação do nosso portfólio

  • MOS CAPITAL

    MOS CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • MOS HÍBRIDO PREV ICATU QUALIFICADO FIE FIA- 41.687.085/0001-05

      (Maio)

  • NAVI CAPITAL

    NAVI CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • NAVI LONG SHORT ICATU PREVIDÊNCIA FIM - 27.328.750/0001-43

      (Maio)

  • NEST ASSET MANAGEMENT

    NEST

    • NEST RF ICATU PREVIDENCIÁRIO QUALIFICADO FUNDO DE INVESTIMENTO RF CRÉDITO PRIVADO 48.936.902/0001-60

      (Maio)

      No mês de maio, o Nest Icatu Previdência Renda Fixa Crédito Privado registrou um
      rendimento de 0,80%, equivalente a 96% do CDI. Durante o mês, optamos pela
      redução de exposições em alguns FIDCs e seguimos analisando novos fundos da
      mesma classe para investimento. Atualmente, o percentual de FIDCs na carteira é de
      9%.
      Na parte de debêntures, DASA voltou a ver um fechamento da taxa motivado por um
      aporte dos acionistas no valor de R$ 1,5 bilhão, o que trouxe alívio nas pressões
      sobre o perfil financeiro e Cyrela teve um resgate antecipado, onde parte da liquidez
      gerada foi alocada em NTN-Bs com vencimentos em 2028, 2035 e 2045.
      O book de Letras Financeiras manteve-se sem muita volatilidade e dentro do
      esperado, por isso mantivemos as posições inalteradas.

  • NORD GESTORA DE RECURSOS

    NORD

    • NORD BMR VIDA ICATU PREVIDENCIÁRIO FIM CP - 47.731.659/0001-81

      (Maio)

  • OCCAM BRASIL GESTÃO DE RECURSO

    OCCAM BRASIL GESTÃO DE RECURSO

    • OCCAM ICATU PREV FIC FIM - 17.685.620/0001-04

      (Maio)

      No cenário internacional, alguns indicadores de atividade nos EUA mostraram menor dinamismo e a inflação teve alguma acomodação após o forte início de ano, além de termos tido uma queda da curva de juros. Na Zona do Euro, observa-se sinais de reaquecimento e um cenário de inflação de serviços elevada. Já na China, apesar das ações de estímulo do governo, o setor imobiliário segue em crise.
      No Brasil, tivemos no mês a continuidade das incertezas fiscais e a elevação dos ruídos em relação à política monetária, resultando na persistência da percepção de deterioração. Em nossa visão, essa deterioração, em um ambiente de crescimento da economia, mercado de trabalho pressionado, questionamentos fiscais e juros globais elevados, sugere que o Copom deverá manter a Selic no atual patamar em sua próxima reunião. Na última reunião, houve a redução do ritmo de afrouxamento para 25bps.
      O IBOV caiu 3,0%, na contramão das bolsas americanas que subiram por volta de 5,0%. Observou-se um impacto causado pelo alto fluxo de saída de estrangeiros da bolsa brasileira. O mercado de continua atraindo mais investimentos é os EUA, com destaque para os bons resultados nas maiores empresas de tecnologia. Nesse contexto, aumentamos nossa exposição direcional externa e reduzimos nossa exposição local. O incremento ocorreu principalmente em ações americanas com vantagens em IA e, localmente, diminuímos os setores de saneamento, energia e papel & celulose. Em termos de contribuição, desempenho positivo para ações americanas nos segmentos de rede social, software e semicondutores, e para ações de bancos digitais brasileiros. Destaque negativo para saneamento, energia e real estate. No Brasil estamos bem hedgeados, procurando apenas gerar Alfa. Nos EUA temos proteções, mas acreditamos que também vale uma exposição direcional. No portfólio de moedas, estamos mantendo a posição vendida no renminbi.

  • ONZE GESTORA DE INVESTIMENTOS

    ONZE

    • ONZE ICATU PREV FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO RENDA FIXA - 47.543.263/0001-00

      (Maio)

      No mês de maio, o fundo Onze FICFI RF apresentou uma rentabilidade de 101,76% do CDI, e uma rentabilidade de 103,51% do CDI nos últimos 12 meses, entregando um resultado consistente, acima do benchmark, com baixíssimo nível de risco. Os créditos bancários apresentaram um mês de estabilidade em seus spreads, levando o fundo a apresentar rentabilidade próxima da rentabilidade alvo (100% CDI). Continuamos esperando um cenário de estabilidade da rentabilidade nos próximos meses, em patamares levemente superiores ao seu benchmark.

    • ONZE ICATU PREV FIC DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO - 47.543.315/0001-49

      (Maio)

      No mês de maio, o fundo Onze FICFI CP apresentou uma rentabilidade de 95,23% do CDI, entregando uma rentabilidade de 115,08% nos últimos 12 meses. Observamos um mês de maior abertura dos spreads de crédito privado de nossa carteira, mais concentrados nos melhores ratings (AAA), sem observação de mudanças no perfil de crédito sólido das companhias, o que nos leva a esperar uma correção desse movimento no curto prazo. Continuamos focados em entregar a rentabilidade esperada mantendo o nível de risco reduzido do fundo, estratégia que tem sido premiada desde nosso início, colocando o desempenho do fundo entre os melhores da indústria.

  • OPPORTUNITY

    OPPORTUNITY

    • COMENTÁRIO GERAL

      Não acreditamos que apostas no timing e magnitude dos ciclos tenham tido bom risco retorno, com decisões dos BCs muito sensíveis a dados de curto prazo. Enxergamos assimetria de médio prazo mais clara para ativos de risco, com expectativa de convergência gradual da inflação, crescimento econômico resiliente e perspectiva de cortes de juros. Refletindo a baixa visibilidade sobre o direcional dos juros, buscamos alocações relativas.
      Em juros, não temos tido posições relevantes. Expressamos viés aplicador mais tático, ao longo do mês, na curva mexicana, polonesa, tcheca e americana.
      Em moedas, zeramos a posição de peso mexicano contra peso chileno. Tivemos outras posições relativas ao longo do mês, mas com exposição pequena e sem impacto relevante.
      Em equities, seguimos comprados no S&P 500.

    • OPPORTUNITY ICATU PREV FIM - 30.869.348/0001-80

      (Maio)

      O desempenho do fundo foi impactado positivamente por posições em Juros e Bolsas internacionais. As posições em Câmbio de emergentes e Bolsa brasil, por sua vez, foram os principais detratores de performance.

  • PACÍFICO GESTÃO DE RECURSOS

    PACÍFICO GESTÃO DE RECURSOS

    • PACIFICO ICATU PREVIDÊNCIA FIC FIM - 35.504.169/0001-63

      (Maio)

  • PANAMBY CAPITAL

    PANAMBY CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • PANAMBY MULTIMERCADO FIE ICATU PREV FI - 37.332.385/0001-02

      (Maio)

  • PÁTRIA INVESTIMENTOS

    PÁTRIA INVESTIMENTOS

    • COMENTÁRIO GERAL

      No mês de maio, o Fundo Patria PIPE registrou queda de 8.8% ante uma queda de 3.0% do índice Ibovespa. Do portfólio, destaca-se a publicação dos resultados operacionais e financeiros referentes ao 1T24, estes apresentados em nosso Webcast Trimestral ao último dia 28 de maio e resumidos abaixo em rápido destaque por empresa: (i) Localiza: operações de locação (RAC e GTF) resilientes e crescentes, unidade de seminovos com avanços importantes a/a, com possível pressão no 2T24, mas boas perspectivas para o segundo semestre em diante; (ii) Grupo Ultra: Ultracargo e Ultragaz mantendo o positivo momentum de 2023 e Ipiranga com margens crescentes a/a, mas ligeiramente abaixo das perspectivas do mercado. Ainda, conclusão da aquisição de participação relevante na Hidrovias do Brasil. (iii) Tenda: o 1T24 apresentou contínua expansão de preços, margens, geração de caixa e controlada estrutura de capital, além de marcar o primeiro trimestre com lucro desde o 3T21; (iv) CVC: continuidade da tendência do 2ºS de 2023, com foco em Rentabilidade ante Volume, resultando em nova expansão de margens, lucro líquido caixa positivo e relevante redução no consumo de caixa. Como sempre, reiteramos que nossos investimentos são baseados em expectativas e oportunidades de criação de valor de longo prazo, e continuamos com as mesmas convicções a respeito da qualidade e competitividade das companhias do portfolio e o cenário favorável para seus negócios. Desde o início da estratégia, em 09/out/2014, o Fundo apresenta ganho líquido de 225.5%, superando largamente o Ibovespa que, neste mesmo período, gerou retorno de 113.2%.

    • PÁTRIA PIPE 100 ICATU QUALIFICADO PREVIDÊNCIA FIE FI EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - 42.774.044/0001-19

      (Maio)

  • PATRIMONIAL

    PATRIMONIAL

    • PATRIMONIAL ESTRATÉGIA ICATU PREVIDENCIÁRIO FIM CP - 41.545.012/0001-89

      (Maio)

  • PERSEVERA ASSET MANAGEMENT

    PERSEVERA ASSET MANAGEMENT

    • PERSEVERA COMPOUNDER ICATU PREV FIC FIM - 39.703.185/0001-36

      (Maio)

      Nos EUA, apesar de um PMI mais forte do que o esperado, outros dados indicaram sinais de desaceleração econômica no primeiro trimestre. Como resultado, o fechamento da curva de juros americana impulsionou as bolsas, com o S&P 500 subindo 4,8% e o Nasdaq 6,9%. Maio foi marcado por uma moderação no crescimento doméstico na China. O PMI industrial caiu para 49,5, demonstrando a fragilidade da recuperação e demandando medidas de suporte à economia. As bolsas chinesas perderam o momento da primeira quinzena do mês. Os ativos brasileiros ficaram novamente para trás. A preocupação com o fiscal e ruídos na política monetária dominaram as discussões do mês. O dissenso entre os membros do Copom durante a reunião de maio trouxe mais incertezas sobre a trajetória do ciclo de cortes, além de alimentar a possibilidade de encerramento do ciclo de queda da Selic. O consenso para a próxima reunião do Copom em junho permanece na manutenção da Selic em 10,50%. Assim, maio foi um mês difícil para os ativos brasileiros, com alta dos juros futuros. Esse movimento também afetou negativamente o câmbio, que subiu 0,9%, e a bolsa, com o Ibovespa caindo 3,0%. Maio foi desafiador para os ativos brasileiros mas, vemos com bons olhos as divulgações recentes dos dados econômicos. A queda da inflação e a desaceleração da economia nos Estados Unidos devem abrir espaço para um recuo dos juros norte-americanos. Continuamos vendo oportunidades em títulos prefixados. Em relação ao crédito privado, nossa posição permanece conservadora. As taxas de juros mais altas continuarão penalizando os setores que estruturalmente operam com alavancagem. Na bolsa, mantemos uma visão similar, preferindo empresas mais defensivas e com dinâmicas favoráveis. Porém, vemos poucos gatilhos positivos à frente, uma vez que o fluxo permanece baixo e o possível impulso advindo da queda dos juros no Brasil foi postergado.

  • REAL INVESTOR

    REAL INVESTOR

    • COMENTÁRIO GERAL

      Real Investor 100 Icatu Prev FIC FIA: O resultado do Real Investor 100 Icatu Prev Q FIC FIA foi de -1,86% em maio, em comparação a -3,04% do Ibovespa no mesmo período. Nosso resultado desde o início do fundo (em 2021), segue como destaque positivo em relação à indústria de fundos de ações no Brasil, com resultado acumulado de 19,0% versus -3,7% do Ibovespa.
      No mês, os principais detratores de resultado foram dos setores financeiro (-1,2%) e de petróleo (-0,5%), parcialmente compensados pelo resultado positivo de nossa alocação no setor de saneamento (+0,2%).
      A principal contribuição positiva no mês foi de Allos (+0,3%). Empresa que tem feito uma boa alocação de capital, vendendo ativos menos estratégicos com cap rate próximo a 8% e recomprando suas próprias ações, que hoje negociam a um cap rate de 16%. Vemos boas perspectivas para a empresa, com maior qualidade do portfólio, menor alavancagem, boa rentabilidade e valuation interessante.

      Real Investor Icatu Prev Qualificado FIC FIM: No mês de maio, o Real Investor Icatu Prev Q FIC FIM teve uma performance de 1,22%, em comparação a 0,83% do CDI no período. Alcançamos assim um resultado de 28,4% desde o início do fundo em 2022, versus 20,7% do CDI (137% do CDI) – performance de destaque em relação à indústria de fundos multimercado no Brasil.
      Contribuíram positivamente para o resultado, o fato de nosso desempenho na carteira long (ref.: Real Investor FIA BDR Nível I) ter sido superior ao da nossa carteira short (composta majoritariamente pelo Índice Ibovespa), além do carrego positivo da renda fixa no período.
      Em relação aos setores, destacamos do lado positivo a contribuição setor de propriedades (+0,4%) e saneamento (+0,3%). Do lado negativo, o principal detrator de resultado no mês foi de ações do setor financeiro (-0,5%).

    • REAL INVESTOR 100 ICATU PREV QUALIFICADO FIC FIA - 40.213.012/0001-19

      (Maio)

      Continuamos confiantes nos fundamentos das empresas que somos sócios. Reforçamos que possuímos um portfólio adequadamente diversificado, investido em empresas com bons fundamentos e perspectivas favoráveis a médio e longo prazo, além de preços atrativos.

    • Real Investor Icatu Prev Qualificado FIC FIM - 44.643.002/0001-74

      (Maio)

      Seguimos otimistas com a nossa carteira long versus nossa carteira vendida (majoritariamente Ibovespa), com exposição direcional de aproximadamente 5%. Reforçamos que temos um portfólio adequadamente diversificado, com posições compradas em empresas que possuem bons fundamentos e perspectivas favoráveis a médio e longo prazo. Esses investimentos seguem com preços atrativos, o que, no longo prazo, devem seguir nos permitindo alcançar resultados diferenciados e consistentemente superiores à nossa carteira short.

  • RPS CAPITAL

    RPS CAPITAL

    • RPS PREV ABSOLUTO ICATU FIC FIM - 31.340.875/0001-66

      (Maio)

      O fundo obteve um retorno neutro em maio, apesar da queda do índice local de ações. Os maiores detratores no mês foram nossas posições compradas no setor de celulose (Suzano), Elétrico (Eletrobrás), adquirencia (Stone) e consumo (Arcos Dorados e Grupo Soma). O book direcional também apresentou uma contribuição negativa no período. Do lado positivo vale mencionar nossa posição comprada em saúde (Hapvida), Argentina (Vista e Banco Galicia) e commodities (Cobre). Apesar de estarmos construtivos pela visão “top-down” com o mercado local de ações, em função de uma economia resiliente, inflação corrente comportada e um valuation bastante atrativo (ERP a dois desvios padrões acima da média), temos mantido uma exposição direcional pequena devido a dinâmica bem negativa de fluxo (estrangeiros vendendo e fundos locais tomando resgate) e deterioração nas expectativas de inflação futura, que tem exercido pressão sobre a curva de juros. Em nossa opinião, estes tem sido os principais motivos que explicam a performance ruim do mercado local nos últimos dois meses e que podem continuar pesando sobre a bolsa. Diante desses pontos, estamos mantendo uma exposição direcional comprada abaixo da média histórica. Estamos mantendo nossa posição comprada em Argentina, fundamentada na melhora dos dados de inflação e fiscal, e por acreditamos na aprovação da lei de bases que deve ancorar uma mudança macroeconômica do país. Em relação às posições intra e intersetoriais do portfólio, zeramos Suzano em função do ruido de M&A que eclodiu durante o mês, apesar de continuarmos gostando da dinâmica de preços da celulose. Em nossa visão a empresa deveria alocar o capital de outra forma, como desalavancagem e/ou pagamento de dividendos. Em contrapartida a esta redução, aumentamos de forma relevante posição em Petrobrás após a realização de preço que as ações sofreram com o evento de troca de CEO. Acreditamos que a governança da companhia melhorou muito nos últimos anos e não vislumbramos mudanças bruscas na estratégia da empresa.

  • SAFRA ASSET

    SAFRA

    • COMENTÁRIO GERAL

      “Em maio, continuamos apresentando uma performance positiva para os fundos a despeito do caixa um pouco mais elevado diante da crescente demanda no mercado por investidores com taxas comprimidas e maiores durations. Seguimos priorizando empresas menos alavancadas e evitando ativos de duration mais longa, alinhando assim, nosso portfólio com o atual momento de mercado. Continuamos com a premissa de manter a estratégia de alocação em ativos de empresas com perfil conservador.

      Manteremos espaço em caixa para atuação mais ativa no mercado primário em oportunidades de aquisição de ativos que possuam prêmio acima da média atual, além de manter liquidez visando diminuir a volatilidade. Nosso direcionamento permanece em manter a seletividade do portfólio buscando ativos com relação risco x retorno atrativos.”

    • SAFRA PREV ICATU FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO PREVIDENCIÁRIO - 12.796.193/0001-18

      (Maio)

      Continuamos mantendo espaço em caixa para atuação mais ativa no mercado primário em oportunidades de aquisição de ativos que possuam prêmio acima da média atual, além de manter liquidez visando diminuir a volatilidade. Nosso direcionamento permanece em manter a seletividade do portfólio buscando ativos com relação risco x retorno atrativos.

  • SANTANDER ASSET MANAGEMENT

    SANTANDER ASSET MANAGEMENT - LARK E STRIX

    • SANTANDER ICATU LARK I CP FIC FI ESP CONSTITUÍDOS RF - 14.325.933/0001-63

      (Maio)

      Em maio, a sinalização do banco central norte-americano (“Fed”) em relação à evolução da política monetária seguiu cautelosa, apesar de algum alívio nos dados de inflação e atividade. No mês, as Bolsas globais tiveram alta, os juros futuros arrefeceram e o dólar perdeu espaço em relação às demais moedas.

      No Brasil, os mercados reagiram aos ruídos na condução da política fiscal e à perspectiva de uma queda mais lenta da Selic ao longo do ano. O Ibovespa encerrou o mês com desempenho negativo, a curva de juros nominal apresentou alta e o Real perdeu espaço frente ao dólar. Diante das incertezas globais e locais, reduzimos o risco da carteira. Mantivemos alocações em menor magnitude nos juros reais e na parte curta da curva pré-fixada. A alta dos juros futuros nominais impactou negativamente nosso posicionamento pré-fixado, enquanto a redução de risco das carteiras e leve queda da curva de juros reais, mitigou o tamanho das perdas. Para o mercado de crédito privado, mantemos posicionamento neutro com viés positivo. Aos poucos os spreads de crédito estão se aproximando de patamares mais justos, passando a operar perto da estabilidade. Ainda observamos algum fechamento dos spreads, mas de forma bastante gradual.

    • SANTANDER ICATU STRIX FI ESPECIALMENTE CONSTITUÍDO MM - 17.340.337/0001-40

      (Maio)

      Em maio, a sinalização do banco central norte-americano (“Fed”) em relação à evolução da política monetária seguiu cautelosa, apesar de algum alívio nos dados de inflação e atividade. No mês, as Bolsas globais tiveram alta, os juros futuros arrefeceram e o dólar perdeu espaço em relação às demais moedas.
      No Brasil, os mercados reagiram aos ruídos na condução da política fiscal e à perspectiva de uma queda mais lenta da Selic ao longo do ano. O Ibovespa encerrou o mês com desempenho negativo, a curva de juros nominal apresentou alta e o Real perdeu espaço frente ao dólar. O mercado de renda fixa local apresentou alta dos juros futuros nominais e leve arrefecimento dos juros reais. Apesar das últimas leituras mais benignas para inflação, a alta dos juros globais e as incertezas sobre a condução das políticas monetária e fiscal continuavam pressionando os juros locais.

  • SCHRODERS

    SCHRODERS

    • SCHRODER ICATU PREVIDÊNCIA LOW VOL FIM- 31.248.460/0001-67

      (Maio)

      O mês de maio foi caracterizado por uma maior volatilidade dos mercados globais, mas sem uma tendência definida. Nos EUA vimos dados mistos de atividade e inflação que, se não forem suficientes para o iniciar um ciclo de afrouxamento monetário, pelo menos reduzem a necessidade do US Federal Reserve de voltar a subir as taxas de juros.
      No Brasil, as expectativas de inflação passaram a ser o foco, à medida que os dados têm se deteriorado nas últimas semanas, o que acaba demandando uma postura cada vez mais conservadora por parte do Banco Central (BC). Por conta disso, o mercado passou a precificar o encerramento do ciclo de corte da taxa Selic no atual patamar de 10,50%, e a embutir prêmios cada vez maiores nas curvas de juros nominal e real. Este cenário mais desafiador para ativos de risco impactou negativamente tanto a bolsa quanto o câmbio, tendo ambos se desvalorizado.
      Nas estratégias de renda fixa, mantivemos as posições aplicadas em juros nominal e real focados nos vencimentos intermediários, acreditamos que mesmo em um cenário de manutenção da taxa Selic no curto prazo, pode existir um prêmio a ser capturado, considerando que o mercado já precifica alta de juros nos meses seguintes. Além disso, aumentamos na margem, as posições vendidas em inclinação da curva de juros nominal que deveriam se beneficiar de uma postura mais conservadora do BC.
      Nas estratégias de moedas, rolamos uma estrutura de opções vendida em Dólar vs. Real, e nas posições cross continuamos comprados no Iene e vendidos no Renminbi, Franco Suíço e Dólar Canadense.
      Já nas estratégias de renda variável, apesar dos valuations atrativos mantivemos um posicionamento neutro por enxergar uma melhor assimetria em outras classes de ativos. Por fim, no book de crédito continuamos com uma visão construtiva, porém mais cautelosa, enxergando fechamentos de spreads cada vez mais graduais daqui em diante.
      O fundo Icatu Low Vol apresentou uma performance positiva, apesar de abaixo do benchmark, com contribuições positivas no book de crédito e praticamente neutra nos books de renda variável, moedas e renda fixa. Se por um lado tivemos uma piora dos fundamentos e um aumento nas incertezas, por outro lado, enxergamos maiores prêmios de risco e um posicionamento técnico do mercado muito mais saudável, após o estresse do mês passado. Por conta deste balanço de riscos optamos por manter as estratégias nos atuais níveis de risco.
      Nesse contexto, o fundo fechou o mês com performance absoluta de 0,8% (94% CDI), acumulado em 2024 de 3,9% (90% CDI), em 12 meses 11,2% (93% CDI) e em 24 meses 25,9% (96% do CDI).

  • SPARTA

    SPARTA

    • COMENTÁRIO GERAL

      As mudanças nas LCI e LCA trazem maior atratividade para fundos de crédito privado como alternativa de liquidez. Com isso, o prêmio dos ativos AAA sofreram fechamento mais forte em relação aos demais ratings, onde ainda vemos papéis com bons prêmios. Esse contexto favorece a gestão ativa da carteira e a seleção adequada de papéis fora dos rating AAA, que já testam suas máximas históricas de preços. Ao mesmo tempo, os novos preços estimulam novas emissões, impulsionando o mercado primário, que neste mês renovou o recorde de emissões com R$ 32 bilhões em 33 ofertas analisadas pela Sparta.Para mais informações, acesse nossa carta mensal.

    • SPARTA PREVIDÊNCIA FIFE ICATU FIRF CP - 30.869.395/0001-24

      (Maio)

      O fundo teve bom resultado no mês, beneficiado principalmente pelo carrego. As mudanças nas LCI e LCA trazem maior atratividade para fundos de crédito privado como alternativa de liquidez. Com isso, o prêmio dos ativos AAA sofreram fechamento mais forte em relação aos demais ratings, onde ainda vemos papéis com bons prêmios. Esse contexto favorece a gestão ativa da carteira e a seleção adequada de papéis fora dos rating AAA, que já testam suas máximas históricas de preços. Ao mesmo tempo, os novos preços estimulam novas emissões, impulsionando o mercado primário, que neste mês renovou o recorde de emissões com R$ 35 bilhões em 35 ofertas analisadas pela Sparta. Para mais informações, acesse nossa carta mensal.

    • SPARTA PREV ICATU D FIC FI RF CP - 30.877.540/0001-19

      (Maio)

      O fundo teve bom resultado no mês, beneficiado principalmente pelo carrego. As mudanças nas LCI e LCA trazem maior atratividade para fundos de crédito privado como alternativa de liquidez. Com isso, o prêmio dos ativos AAA sofreram fechamento mais forte em relação aos demais ratings, onde ainda vemos papéis com bons prêmios. Esse contexto favorece a gestão ativa da carteira e a seleção adequada de papéis fora dos rating AAA, que já testam suas máximas históricas de preços. Ao mesmo tempo, os novos preços estimulam novas emissões, impulsionando o mercado primário, que neste mês renovou o recorde de emissões com R$ 35 bilhões em 35 ofertas analisadas pela Sparta. Para mais informações, acesse nossa carta mensal.

    • SPARTA TOP PREVIDÊNCIA ICATU ADVISORY FIRF CP - 26.710.546/0001-20

      (Maio)

      O fundo teve bom resultado no mês, beneficiado principalmente pelo carrego. As mudanças nas LCI e LCA trazem maior atratividade para fundos de crédito privado como alternativa de liquidez. Com isso, o prêmio dos ativos AAA sofreram fechamento mais forte em relação aos demais ratings, onde ainda vemos papéis com bons prêmios. Esse contexto favorece a gestão ativa da carteira e a seleção adequada de papéis fora dos rating AAA, que já testam suas máximas históricas de preços. Ao mesmo tempo, os novos preços estimulam novas emissões, impulsionando o mercado primário, que neste mês renovou o recorde de emissões com R$ 35 bilhões em 35 ofertas analisadas pela Sparta. Para mais informações, acesse nossa carta mensal.

    • SPARTA PREV INFLACAO ICATU FIC FIRF CRED PRIV - 41.127.450/0001-27

      (Maio)

      O IMAB-5 teve forte retorno, de 1,05% no mês, ganhando principalmente com carrego, apesar do IPCA e marcação positivos também. O fundo teve resultado em linha com seu benchmark. As mudanças nas LCI e LCA trazem maior atratividade para fundos de crédito privado como alternativa de liquidez. Com isso, o prêmio dos ativos AAA sofreram fechamento mais forte em relação aos demais ratings, onde ainda vemos papéis com bons prêmios. Esse contexto favorece a gestão ativa da carteira e a seleção adequada de papéis fora dos rating AAA, que já testam suas máximas históricas de preços. Ao mesmo tempo, os novos preços estimulam novas emissões, impulsionando o mercado primário, que neste mês renovou o recorde de emissões com R$ 35 bilhões em 35 ofertas analisadas pela Sparta. Para mais informações, acesse nossa carta mensal.

  • SPX GESTÃO DE RECURSOS LTDA

    SPX

    • COMENTÁRIO GERAL

      No último mês os dados de atividade e inflação dos EUA vieram sem grandes surpresas. A economia americana segue desacelerando lentamente. Por um lado, é um cenário onde o Fed não tem ganho em antecipar cortes de juros e também não há sinal de uma reaceleração da atividade (ou da inflação) que puxe o Fed para uma discussão de hike. Com isso, nossa visão permanece a de que o Fed deve ficar on hold nos próximos trimestres.

      Do lado doméstico, a discussão piorou bastante principalmente depois da última decisão dividida do Copom. A inesperada dissidência de votos levou a uma piora expressiva nas expectativas de inflação que, na nossa visão, deve inviabilizar novos cortes da Selic este ano. Com a deterioração do Focus e um mercado de trabalho aquecido – mas sem esperar grandes solavancos fiscais nos próximos meses – esperamos que a Selic fique nos patamares atuais por um bom tempo. Há, no entanto, riscos baixistas e altistas para os juros no Brasil. Do lado altista, uma nova rodada de piora nas projeções do Focus, eventualmente ocasionada por novas divisões dentro do Copom ou por surpresas negativas no fiscal, poderia pressionar o BC a subir os juros nas próximas reuniões. Do lado dove, uma postura conjunta mais conservadora do BCB – interrompendo o ciclo de forma unânime nas próximas decisões – e uma eventual melhora nas expectativas para a política monetária americana poderiam reabrir algum espaço para novos cortes da Selic, principalmente no ano que vem.

    • SPX SEAHAWK ICATU PREVIDÊNCIA FICFIM CP- 42.014.145/0001-91

      (Maio)

      No mercado de crédito local, os spreads de crédito se mantiveram estáveis ao longo do mês, assim como o percentual de papéis marcados pela ANBIMA que estão dentro do breakeven, cerca de 29%. No mercado primário, analisamos cerca de R$27 bilhões e participamos de emissões nos setores de indústria, energia elétrica e financeiro. Destaque para o desfecho próximo do caso Lojas Americanas após o resultado do leilão reverso, no qual nossa oferta foi aceita no preço de 26.99% (máximo). O mercado de crédito Latam continuou performando bem não só em termos de spread, mas também em termos nominais. As Treasuries nos EUA acalmaram frente a um mix de dados mais positivos, com o título de 10 anos fechando perto de 20 bps no mês. O retorno do EMB foi de +1.82%, recuperando quase toda correção de abril.

    • SPX PREV LONG BIAS ICATU QUALIFICADO FIC FIM - 40.386.490/0001-20

      (Maio)

      Em maio, mantivemos exposição direcional à bolsa brasileira próxima ao neutro. Setorialmente, aumentamos posições nos setores de Papel & Celulose, Mineração e Concessões. Por outro lado, as principais reduções foram nos setores de Serviços Financeiros, Bancos e Utilities. No exterior, apesar de não termos exposição direcional relevante, temos uma carteira de posições relativas.

    • SPX LANCER ICATU PREV FIC FIM - 28.653.832/0001-26

      (Maio)

      No mercado de juros, seguimos com posições aplicadas em países onde vemos espaço para os bancos centrais reduzirem o nível de restrição monetária dado o cenário inflacionário mais benigno. Nos mercados de moedas, mantemos posições compradas no dólar americano. No book de ações internacionais, estamos com posições relativas e baixo direcional, e no book de Brasil, posições relativas. Nas commodities, estamos com posições vendidas em grãos.

    • SPX LANCER PLUS ICATU PREVIDÊNCIA FIC FIM - 41.424.063/0001-52

      (Maio)

      No mercado de juros, seguimos com posições aplicadas em países onde vemos espaço para os bancos centrais reduzirem o nível de restrição monetária dado o cenário inflacionário mais benigno. Nos mercados de moedas, mantemos posições compradas no dólar americano. No book de ações internacionais, estamos com posições relativas e baixo direcional, e no book de Brasil, posições relativas. Nas commodities, estamos com posições vendidas em grãos. No portfólio de crédito desenvolvido, diminuímos nossa exposição em ativos Investment Grade e compramos single names High Yields. Nos mercados de crédito emergente, reduzimos nossa exposição macro e estamos com posições em ativos de crédito idiossincráticos High Yield.

  • STK CAPITAL

    STK

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • STK PREVIDÊNCIA ICATU QUALIFICADO FIE FIA - 40.885.815/0001-10

      (Maio)

  • STUDIO INVESTIMENTOS

    STUDIO INVESTIMENTOS

    • COMENTÁRIO GERAL

      O Ibov. encerrou maio com mais um mês negativo, o quarto do ano, apresentando queda de 3%. Os ativos brasileiros seguiram uma trajetória oposta à das mesmas classes de ativos de outros países. No Brasil, observamos a bolsa em queda, a moeda se desvalorizando e os juros, tanto curtos quanto longos, aumentando. Notamos uma reversão de aproximadamente metade da elevação dos juros na curva americana, que foi o principal vetor de aversão ao risco em abril. O consenso de mercado agora se inclina para uma expectativa de início de ciclo de queda de juros em setembro pelo FED, baseado nos dados econômicos divulgados em maio. A decisão dividida entre os membros do Banco Central, indicados pelo governo atual e o anterior, gerou um aumento de incerteza quanto à independência da autoridade monetária para o mandato do próximo presidente, que será indicado até o final do ano. Em nossa visão, esse foi o catalisador para a aversão ao risco local, que se descolou do comportamento dos ativos globais. Neste mês, o Ibovespa teve uma queda similar à dos índices com menor concentração em commodities; o IVBX caiu 3,7% e o SMALL, 3,4%. Observamos uma variação de desempenho nos ativos da nossa carteira durante o mês, justificada principalmente pelos resultados divulgados das empresas.

    • STUDIO ICATU PREVIDENCIARIO QUALIFICADO FIM CP - 34.793.027/0001-09

      (Maio)

      Encerramos maio de 2024 com uma exposição líquida de aproximadamente 95%. Reduzimos nossa posição em caixa ao longo do mês. As principais posições da carteira são em Equatorial, Rumo, Energisa, Itaú e Smartfit, com as 10 maiores representando cerca de 60% da exposição do portfólio. Os principais setores são: Energia Elétrica (20%), Financeiro (16,6%), Consumo (15%) e Transporte (11%).
      Os principais impactos negativos vieram das posições em Localiza, Americanas (short), Eletrobrás, Smartfit e Cyrela. Por outro lado, Mercado Livre, Hapvida, Nubank, Petrobrás e Energisa contribuíram positivamente no mês.

    • STUDIO ICATU 49 PREVIDENCIÁRIO FIM - 21.494.454/0001-36

      (Maio)

      Encerramos maio de 2024 com uma exposição líquida de aproximadamente 45,5%. Reduzimos nossa posição em caixa ao longo do mês. As principais posições da carteira são em Equatorial, Rumo, Energisa, Itaú e Smartfit, com as 10 maiores representando cerca de 29% da exposição do portfólio. Os principais setores são: Energia Elétrica (9,7%), Financeiro (7,9%), Consumo (7,2%) e Transporte (5,3%).
      Os principais impactos negativos vieram das posições em Localiza, Americanas (short), Eletrobrás, Smartfit e Cyrela. Por outro lado, Mercado Livre, Hapvida, Nubank, Petrobrás e Energisa contribuíram positivamente no mês.

  • TAGUS INVESTIMENTOS

    TAGUS INVESTIMENTOS

    • TAGUS ICATU PREV FIRF CP - 50.925.001/0001-15

      (Maio)

  • TENAX CAPITAL

    TENAX CAPITAL

    • TENAX ICATU MACRO PREV - 47.640.667/0001-12

      (Maio)

    • TENAX ICATU TOTAL RETURN PREV - 49.948.000/0001-07

      (Maio)

      A bolsa brasileira apresentou um novo mês de queda nos seus principais índices (Ibovespa: -3,0% e SMLL: -3,4%), impactada pela piora da perspectiva quanto as contas públicas e da possível interrupção do ciclo de corte de juros no Brasil. Esse quadro levou a uma nova underperformance dos setores mais ligados à economia doméstica. O Ibovespa já acumula uma queda superior a 9% no ano, enquanto o índice SMLL apresenta queda de 14,5% no mesmo período.
      O Tenax Total Return apresentou queda de 3,56% no mês, contra uma valorização de 0,93% do IPCA + Yield do IMA-B. As principais contribuições positivas vieram dos setores de Proteínas, Tecnologia e Financeiro. Já as principais perdas vieram das posições ligadas aos setores de Papel & Celulose, Petróleo & Gás e Varejo. Também tivemos perdas com as posições nos livros de Juros Brasil e Bolsas Offshore. Seguimos carregando algumas estruturas de derivativos que ajudaram a defender a exposição direcional do fundo. Terminamos o mês com uma exposição líquida comprada ao redor de 45%, e temos aproveitado a recente queda do mercado para aumentar esta exposição.

  • TORK CAPITAL

    TORK CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      No momento em que a melhora no cenário global parecia finalmente apresentar uma janela de oportunidade para os ativos brasileiros, o mês acabou sendo marcado por desafios idiossincráticos no front local que impactaram de forma significativa o sentimento e os preços no mercado. Os trágicos eventos no Rio Grande do Sul, a decisão dividida no COPOM e a mudança de gestão na Petrobrás abalaram sentimento e preços no mercado.
      Apesar dos desafios vividos nesses primeiros meses, ainda é razoável contemplar um cenário base positivo, especialmente à luz dos dados benignos de atividade e inflação. De modo mais geral, seguimos vendo um cenário favorável para muitas empresas que acompanhamos, hoje contemplamos um potencial melhor na dinâmica de crescimento de lucros e os valuations que observamos são muito atrativos, inclusive em empresas de bastante qualidade.
      Fizemos ajustes pontuais no perfil da carteira, levando em conta os valuations relativos e o nível de risco caso a caso. De todo modo, em função do quadro positivo e valuations deprimidos que vislumbramos em diferentes companhias, seguimos acreditando que esse seja um momento adequado para manter exposição do fundo na ponta alta.

    • TORK ICATU PREV FIE I - 36.352.410/0001-49

      (Maio)

      O fundo TORK ICATU PREV FIC DE FIA FIE teve uma rentabilidade de -4.1% no mês contra um Ibovespa de -3.0%. Desde o início o fundo acumula 5.5%. As principais contribuições positivas vieram de MELI (0.53%), GOOGLE (0.20%) e META (0.15%). As principais contribuições negativas vieram de VBBR (-0.43%), CYRE (-0.40%) e SMFT (-0.32%).

  • TRÍGONO CAPITAL

    TRÍGONO CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      O controle da inflação é o principal tema internacional, com a atividade econômica nos EUA forte e a inflação dentro das expectativas, sugerindo uma possível redução gradual das taxas de juros. No Brasil, a economia mostra resiliência com dados de desemprego melhores que o previsto, influenciando uma política monetária cautelosa. Embora a inflação medida pelo IPCA-15 seja favorável, os preços administrados, como energia e combustíveis, estão mais altos. A valorização do dólar frente ao Real entendemos que nossas empresas se beneficiam deste cenário pela receita dolarizada com receitas em moeda estrangeira, atuando como hedge natural, enquanto o baixo endividamento das empresas reduz o impacto das taxas de juros.

    • TRÍGONO ICATU 100 FIA PREV - 35.610.342/0001-08

      (Maio)

      Nosso outro fundo previdenciário, que difere do 70 Prev por estar 100% alocado em renda variável e ter outros limites regulatórios, teve um maio também desafiador: registrou queda de 3,4%. O IBOV caiu menos (-3%), mas pouco menos. Vários setores pesaram, mas os destaques foram Indústria (-1,2%) e Agronegócio (-0,7%), mas também puxaram para baixo Logística e Consumo (cada um com -0,6%). Mineração e Metalurgia foi a exceção: o setor subiu 0,20%, impulsionado basicamente por Aura Minerals – que vive um momento muito positivo de busca por dobrar sua produção, preços do ouro elevados e câmbio favorecendo.
      No ano, o Icatu 100 recua 14,9%, contra 9% do IBOV (são 5,9 pontos percentuais de defasagem). Esse desempenho em nada reflete o desempenho econômico-financeiro das investidas. Desde seu início (julho/2020), o fundo já entregou 73,7% de ganho, contra 21,6% do IBOV (excedente de 52,1% de retorno).

    • TRÍGONO ICATU 70 PREVIDENCIÁRIO FIC FIA - 49.459.345/001-05

      (Maio)

      O Icatu 70 Previdenciário tem estrutura similar à do 70 Prev – mas com uma carteira mais parecida com a do Icatu 100, por sua diversificação. O produto atende pedidos de parceiros que buscavam fundos de previdência da Trígono, mas sem se expor 100% à renda variável. Oferecemos, assim, 3 produtos previdenciários: atendemos, assim, todos os públicos.
      Como seu “mano” Icatu 100, o Icatu 70 perdeu 3,5% no mês, pouco mais que o Ibovespa. Papel e Celulose foi o destaque negativo (-1,1%), também afetado pela Suzano (comentamos mais acima). Indústria (-0,8%) e Logística (-0,7%) também pesaram.
      O Icatu 70 completou um ano em 18 de maio e, até o momento, está atrás do benchmark IBOV (2,4% de alta, contra 10,9% no período). Um ano não basta para as teses maturarem e mostrarem seu real potencial de valorização.

  • TRUXT

    TRUXT

    • COMENTÁRIO GERAL

      No cenário local, apesar da inflação corrente seguir positiva, dois fatores internos ainda impedem a continuidade do ciclo de cortes de juros. O primeiro deles é o mercado de trabalho, que permanece aquecido e sem apresentar qualquer tipo de moderação. As divulgações, tanto do CAGED quanto da PNAD, surpreenderam os economistas ao revelarem um mercado de trabalho ainda mais apertado do que o esperado, com a taxa de desemprego caindo, mesmo com o aumento da taxa de participação. O segundo é a desancoragem das expectativas de inflação no Focus e implícita no mercado, que seguem subindo de patamares consideravelmente acima da meta estabelecida pelo CMN, de 3%.
      Além disso, a decisão dividida na última reunião do COPOM não foi bem recebida pelo mercado, que passou a precificar a possibilidade de uma mudança para uma abordagem mais dovish por parte do Banco Central à medida que o governo atual indique os próximos diretores.
      No ambiente externo, observamos dados de inflação melhores do que o esperado nos Estados Unidos onde o principal dado de emprego de abril mostrou uma desaceleração importante do ritmo de criação de vagas, com leadings apontado para ganhos gradualmente menores. Nessa linha, dados do ISM e Retail Sales mostram ritmo mais benigno da atividade e menor apetite do consumidor americano na margem. Com isso, levaram a fechamento de taxas após price action de abertura de juros ao longo do mês, em meio a comentários hawks dos membros do FED em vista de cenário ainda desafiador para a inflação. No geral, o cenário continua sendo de desaceleração gradual de preços aliada a mercado de trabalho e demanda doméstica saudáveis, fato que deve levar o FED a cortar o juro apenas em setembro deste ano, na medida em que espera por melhores dados.
      Na Europa, observamos métricas de inflação de serviços reacelerando tanto na Zona do Euro quanto no Reino Unido, fatos que aliados a mercados de trabalho resilientes e crescimento de salários elevados levaram a diminuições nas precificações de cortes de juros em 2024. Apesar de notícias piores na margem, enxergamos bons fundamentos para a desinflação nas duas regiões, com leadings indicando espaço para maior desinflação de serviços. Dessa forma, esperamos três cortes pelo BoE e pelo ECB no ano em vista de desaceleração da inflação, aliada a atividade estagnada, mais rápida do que nos Estados Unidos no segundo semestre. Para ambos os bancos centrais, os dados ruins de inflação na margem tornam as próximas divulgações de preços (junho para o ECB e maio para o BoE) extremamente importante, na medida em que uma inflação de serviços mais resiliente que o esperado pode fazer com que membros mudem suas expectativas acerca do ritmo adequado de cortes.

    • TRUXT MACRO PREV ICATU COTAS DE FI MULTIMERCADO - 29.733.120/0001-80

      (Maio

      As posições nos mercados locais geraram resultados positivos no mês, com destaque para a venda do Real e opções de venda da bolsa brasileira. Seguimos carregando essas posições.

  • VALORA

    VALORA

    • COMENTÁRIO GERAL

      .

    • VALORA ICATU PREV FIC FI RF CP - 41.163.524/0001-80

      (Maio)

      Book líquido HG (Debêntures e Letras Financeiras): Continuamos com o processo de diminuição de risco da carteira através do aumento do nível de caixa e da redução da exposição em papéis com uma duration maior. Além disso, importante mencionar que temos feito um trabalho de pulverização do portfólio, através da diminuição de empresas e setores que estávamos muito concentrados e também da aquisição de novos ativos bancários. Seguimos cautelosos com a lógica de precificação dos papéis mais líquidos e com a performance do mercado secundário como um todo.

      O Valora Icatu obteve uma rentabilidade aderente seu benchmark (0,90% no período, ou 107,6% do CDI). Book líquido (Debêntures e Letras Financeiras): Obtivemos uma performance mais moderada do book líquido no período, muito por conta da performance abaixo da indústria de debêntures high grade no mercado secundário. Conforme mencionado nos comentários anteriores, já vínhamos adotando uma política mais conservadora na lógica de alocação de papéis que já estavam em um nível mais esticado de preço. Apesar disso, colhemos abertura de spread em alguns papéis da carteira. Em relação aos contribuidores marginais, tivemos o book estruturando atuando como gerador de alfa e redutor de volatilidade do portfólio no período. Book estruturado HG (FIDCs, CRIs e CRAs): Tivemos uma performance positiva para o book de FIDCs multicedentes e multisacados e para o book de FIDCs de consignado público. Além disso, importante ressaltar que temos feito alocações adicionais em ativos já aprovados em nosso pipeline. Ademais, nosso book de FIDCs com risco pessoa física também entregou uma performance positiva no período, além de KPIs de performance comportados em relação a inadimplência e rentabilidade.

  • VÊNETO GESTÃO DE RECURSOS

    VENETO GESTÃO DE RECURSOS

    • VENETO 70 ICATU PREVIDENCIARIO FIM - 38.263.360/0001-59

      (Maio)

      O IPCA-15 de maio apresentou alta de +0,44%, abaixo do consenso de +0,47%. O qualitativo foi positivo, com uma difusão abaixo da média histórica (55% vs 61%) e uma inflação subjacente dentro da meta. Embora o serviço subjacente ainda esteja elevado, é encorajador observar uma desaceleração nos dados mais recentes. Após o aumento observado entre dezembro e fevereiro, a inflação parece estar retornando a uma trajetória de queda, vindo abaixo das estimativas do mercado nos últimos meses. Na renda variável, consideramos os atuais níveis de valuation uma oportunidade para alocação, por isso aumentamos nosso nível de exposição. Na renda fixa, continuamos vendo oportunidades em ativos high yield com duration mais curta.

  • VENTOR INVESTIMENTOS

    VENTOR INVESTIMENTOS

    • COMENTÁRIO GERAL

      No cenário internacional, após diversos meses de surpresas positivas, dados de atividade da economia americana divulgados em maio começaram a indicar desaceleração. Apesar deste movimento trazer conforto para o Fed, que praticamente descartou possibilidade de voltar a subir juros, incerteza segue elevada. Para o mercado, cenário continua sendo de desinflação lenta e caminho árduo de retorno à meta, refletido em precificação de juros elevados por período prolongado.

      No cenário doméstico, destaque do mês de maio ficou para decisão dividida do Copom, que reduziu ritmo de cortes para 25bps, conforme esperado pelo mercado. Dissenso entre os membros, com indicados do governo tendo votado por corte de 50 bps, foi ponto de alerta e gerou movimento de desancoragem adicional das expectativas longas de inflação.
      Apesar do atual patamar benigno da inflação corrente, o mercado de trabalho aquecido, somado a política fiscal expansionista e a perspectiva de um Banco Central leniente são vetores altistas para a inflação futura. Adicionalmente, as enchentes no Rio Grande do Sul trouxeram repercussões negativas tanto para atividade e inflação quanto para o cenário fiscal, tornando ainda mais avessas as perspectivas do mercado local.

    • VENTOR PREV ICATU FICFIM - 49.043.035/0001-05

      (Maio)

      Nossa estratégia multimercado apresentou retorno positivo no mês de maio. Resultado contou, principalmente, com contribuição positiva de posições aplicadas em juros reais domésticos e do portfólio de ações offshore. O portfólio de ações locais, por sua vez, foi o principal detrator de performance no mês. Diante de um cenário de ainda elevada incerteza e volatilidade, seguimos com risco reduzido nos fundos multimercado. Quanto ao posicionamento, no mês de maio reduzimos exposição aplicada a juros reais domésticos e zeramos posições direcionais nos juros nominais. Além disso, carregamos exposição aplicada no Cupom Cambial curto. Em bolsa, seguimos comprados em uma cesta de ações diversificada, majoritariamente protegida por venda do índice. No mercado offshore, seguimos sem posições relevantes no mercado de juros. No book de moedas, mantivemos exposição comprada em USD contra o EUR.

  • VERDE ASSET

    VERDE ASSET

    • VERDE AM ICATU PREVIDENCIA FIC FIM PREV - 23.339.936/0001-47

      (Maio)

      Cenário e Atribuição de Performance:
      Maio foi mais um mês marcado por elevado nível de incerteza. A partir da metade do mês, vimos indicadores econômicos americanos desafiando ainda mais as expectativas de afrouxamento monetário, alimentando mais um movimento altista das taxas de juros norte-americanas. No Brasil, tivemos uma combinação de aumento relevante das expectativas de inflação junto com a percepção de uma política fiscal cada vez mais frouxa, ambas reforçando a visão de um fim antecipado do ciclo de corte de juros. Estamos mais dependentes de uma evolução favorável do cenário externo, que ainda não está se concretizando. Esse sinal de juros globais maiores por mais tempo, com a percepção de um ciclo de corte de juros locais menor, colocou mais pressão sobre os preços dos ativos locais, com o índice principal da bolsa (Ibovespa) renovando as mínimas do ano. Nesse contexto, o fundo apresentou ganhos na estratégia de ações globais e juros, enquanto os detratores de performance vieram das alocações em ações brasileiras e moedas.

      Posicionamento:
      Ao longo do mês de maio, reduzimos ainda mais a nossa exposição aos ativos de risco brasileiro. Estamos com um pequeno net vendido em bolsa brasileira em torno de 1,5% e alocados em torno de 7% em ações globais, com posições no S&P, Nasdaq e Nikkei. Na renda fixa local continuamos com a posição aplicada nos juros reais e nominais na parte intermediária da curva. Já no mercado global, estamos aplicados nos juros americanos e mexicanos. Mantivemos a parcela de crédito e seguimos com as posições compradas no Real e no Peso mexicano e vendidas no Euro, na Libra esterlina e no Dólar de Taiwan.

    • VERDE AM PREVIDENCIA I FC MULT PREV - 23.339.953/0001-84

      (Maio)

      Cenário e Atribuição de Performance:
      Maio foi mais um mês marcado por elevado nível de incerteza. A partir da metade do mês, vimos indicadores econômicos americanos desafiando ainda mais as expectativas de afrouxamento monetário, alimentando mais um movimento altista das taxas de juros norte-americanas. No Brasil, tivemos uma combinação de aumento relevante das expectativas de inflação junto com a percepção de uma política fiscal cada vez mais frouxa, ambas reforçando a visão de um fim antecipado do ciclo de corte de juros. Estamos mais dependentes de uma evolução favorável do cenário externo, que ainda não está se concretizando. Esse sinal de juros globais maiores por mais tempo, com a percepção de um ciclo de corte de juros locais menor, colocou mais pressão sobre os preços dos ativos locais, com o índice principal da bolsa (Ibovespa) renovando as mínimas do ano. Nesse contexto, o fundo apresentou ganhos na estratégia de ações globais e juros, enquanto os detratores de performance vieram das alocações em ações brasileiras e moedas.

      Posicionamento:
      Ao longo do mês de maio, reduzimos ainda mais a nossa exposição aos ativos de risco brasileiro. Estamos com um pequeno net vendido em bolsa brasileira em torno de 1,5% e alocados em torno de 7% em ações globais, com posições no S&P, Nasdaq e Nikkei. Na renda fixa local continuamos com a posição aplicada nos juros reais e nominais na parte intermediária da curva. Já no mercado global, estamos aplicados nos juros americanos e mexicanos. Mantivemos a parcela de crédito e seguimos com as posições compradas no Real e no Peso mexicano e vendidas no Euro, na Libra esterlina e no Dólar de Taiwan.

    • VERDE AM LONG BIASED 70 ICATU PREV FIE FI MULT - 35.363.972/0001-25

      (Maio)

      Cenário e Atribuição de Performance:
      Maio foi mais um mês marcado por elevado nível de incerteza. A partir da metade do mês, vimos indicadores econômicos americanos desafiando ainda mais as expectativas de afrouxamento monetário, alimentando mais um movimento altista das taxas de juros norte-americanas. No Brasil, tivemos uma combinação de aumento relevante das expectativas de inflação junto com a percepção de uma política fiscal cada vez mais frouxa, ambas reforçando a visão de um fim antecipado do ciclo de corte de juros.
      Estamos mais dependentes de uma evolução favorável do cenário externo, que ainda não está se concretizando. Esse sinal de juros globais maiores por mais tempo, com a percepção de um ciclo de corte de juros locais menor, colocou mais pressão sobre os preços dos ativos locais, com o índice principal da bolsa (Ibovespa) renovando as mínimas do ano. Quanto a atribuição de performance de maio de 2024, a maior contribuição veio de MercadoLibre enquanto Suzano, Petro Rio e Localiza foram os destaques negativos.

      Cenário LB:

      Posicionamento:
      Apesar de enxergamos múltiplos e assimetrias poucas vezes vistas nos ativos brasileiros, a partir da metade do mês reduzimos significativamente a nossa exposição net long, e com isso, o risco da carteira. Desinvestimos de ações de empresas onde tínhamos menos convicção nas teses e alocamos parte desse risco em teses que temos mais confiança no micro e com valuations atrativos. Atualmente, nossas principais posições são Itaú, Energisa, MercadoLibre e BTG Pactual.

  • VINCI PARTNERS

    VINCI PARTNERS

    • VINCI EQUILÍBRIO ICATU II

      (Maio)

      Atribuição de Performance e Perspectivas

      O Fundo obteve ganhos em posições tomadas no juro nominal local, compradas em dólar contra real e aplicadas em juro real. Por outro lado, perdeu no book de renda variável.

      No cenário internacional, ao longo do mês, indicadores de atividade econômica apresentaram algum arrefecimento, porém, a economia segue resiliente, desemprego historicamente baixo, e o Fed não parece ter pressa para iniciar o ciclo de cortes, enquanto os números de inflação seguem persistentemente acima da meta. Na Europa e Canadá, a atividade não apresenta a resiliência dos EUA, enquanto a inflação segue convergindo devagar, o que pode acarretar um início de flexibilização mais cedo, possivelmente no mês de junho.

      No Brasil, o espaço para flexibilização do BC parece ter terminado, dada atividade econômica resiliente, desemprego historicamente baixo e expectativas de inflação desancoradas. A maior utilização de políticas fiscais e parafiscais continua se confirmando, enquanto observamos uma deterioração do desempenho do governo nas pesquisas de popularidade. A catástrofe no RS exacerba esse movimento de expansão fiscal, ao passo que pode acarretar um choque inflacionário, tanto do lado da oferta, quanto da demanda.

      Posicionamento

      Na parcela de renda fixa, o fundo segue aplicado em juro real, com posições em vértices curtos. Ainda compõem a parcela de renda fixa posições tomadas em vértices curtos da curva de juro nominal e aplicadas em vértice mais longo. O bom desempenho da economia brasileira, crescendo num ritmo talvez maior que o PIB potencial, implica em viés tomador de taxa de juros e comprado em inflação curta.

      Na parte de renda variável, o fundo possui uma posição comprada em Bolsa local de aproximadamente 1%. Também compõe a carteira, uma posição de 0,3% vendida em futuro de S&P.

      No book de moedas, o fundo possui uma posição de aproximadamente 1,6% comprada em dólar contra real.

      Permanecemos com a percepção de que a estratégia, que conta com gestão experiente e ativa, é uma excelente opção para o portfólio.

  • VINLAND CAPITAL

    VINLAND CAPITAL

    • COMENTÁRIO GERAL

      Em maio, o Fed manteve a taxa básica de juros no intervalo entre 5,25% e 5,50% a.a., como amplamente esperado. A atividade e a inflação, de maneira geral, vieram em linha com a sinalização do Fed em manter a taxa de juros parada por algum tempo. No Reino Unido, a inflação veio mais forte com os núcleos e serviços mais altos. Isso deve fazer com que o BoE seja mais cauteloso em iniciar um ciclo de cortes de juros no curto prazo. Já na Europa, os dados na atividade e na inflação foram favoráveis para um início de corte de juros pelo ECB. No Brasil, o Copom reduziu a taxa Selic em 25 pb para 10,50% a.a., em uma decisão dividida por 5 votos a favor e 4 votos para corte de 50 pb. Apesar da inflação corrente mais benigna, as expectativas de inflação estão se deteriorando rapidamente e este processo deve fazer com que o Banco Central interrompa o ciclo de cortes de juros na próxima reunião.

    • VINLAND MACRO PREV ICATU QUALIFICADO FIC FIM - 37.893.304/0001-35

      (Maio)

      O fundo Macro Prev Icatu Qualificado terminou maio com performance de + 0,81%. A estratégia de juros globais teve retorno de – 0,18%, através, principalmente, de posições opcionalizadas para manutenção dos juros até setembro/2024 e posição tomada na inclinação da curva de Europa. Juros locais tiveram retorno de + 0,07% com posições compradas em inflação implícita, tomadas na curva nominal de juros e estruturas de opções para término em breve do ciclo de cortes na Selic. Em renda variável, adicionamos ao longo do mês posições vendidas em bolsa brasileira. Nos EUA, tivemos long & short com posições compradas em empresas de tecnologia e consumo resiliente, e venda em empresas alavancadas. A soma das estratégias de renda variável apresentou retorno de + 0,14%. A estratégia de moedas teve performance de – 0.06% decorrente principalmente de posição comprada em MXN contra JPY, CAD e CNH, além de compra de GBP contra EUR e CHF. Tivemos ganhos com posição comprada em USDJPY e vendida em USDTRY. A carteira de crédito apresentou retorno de +0,13%.

      Para o mês de junho, na Europa, seguimos aplicados na curva de juros e tomados na inclinação. Nos EUA, mantivemos posições opcionalizadas para manutenção de juros nos próximos meses. Em Colômbia e México, estamos com posições levemente aplicadas na curva. No Brasil, continuamos com posição comprada em inflação implícita e opções para término dos cortes na Selic em breve. Em moedas, estamos comprados em USDJPY e USDMXN. Em renda variável, seguimos vendidos na bolsa brasileira, enquanto, na bolsa americana, mantivemos long & short com foco em empresas dos setores de tecnologia e consumo resiliente, e venda em empresas alavancadas.

    • VINLAND MACRO ICATU V PREVIDENCIARIO MULTIMERCADO FIC FIM - 43.794.128/0001-87

      (Maio)

      O fundo Vinland Macro Icatu V Prev terminou maio com performance de + 0,75%. A estratégia de juros globais teve retorno de – 0,18%, através, principalmente, de posições opcionalizadas para manutenção dos juros até setembro/2024 e posição tomada na inclinação da curva de Europa. Juros locais tiveram retorno de + 0,07% com posições compradas em inflação implícita, tomadas na curva nominal de juros e estruturas de opções para término em breve do ciclo de cortes na Selic. Em renda variável, adicionamos ao longo do mês posições vendidas em bolsa brasileira. Nos EUA, tivemos long & short com posições compradas em empresas de tecnologia e consumo resiliente, e venda em empresas alavancadas. A soma das estratégias de renda variável apresentou retorno de + 0,12%. A estratégia de moedas teve performance de – 0.03% decorrente principalmente de posição comprada em MXN contra JPY, CAD e CNH, além de compra de GBP contra EUR e CHF. Tivemos ganhos com posição comprada em USDJPY e vendida em USDTRY. A carteira de crédito apresentou retorno de +0,13%.

      Para o mês de junho, na Europa, seguimos aplicados na curva de juros e tomados na inclinação. Nos EUA, mantivemos posições opcionalizadas para manutenção de juros nos próximos meses. Em Colômbia e México, estamos com posições levemente aplicadas na curva. No Brasil, continuamos com posição comprada em inflação implícita e opções para término dos cortes na Selic em breve. Em moedas, estamos comprados em USDJPY e USDMXN. Em renda variável, seguimos vendidos na bolsa brasileira, enquanto, na bolsa americana, mantivemos long & short com foco em empresas dos setores de tecnologia e consumo resiliente, e venda em empresas alavancadas.

  • VINTAGE

    VINTAGE

    • VINTAGE ASSET ALLOCATION PREV ADVISORY ICATU Icatu FIC FIM - 27.974.819/0001-06

      (Maio)

  • VOKIN ADMINISTRADORA DE RECURSOS

    VOKIN

    • VOKIN GBV ACONCAGUA ICATU QUALI FIE PREV FIC FIA - 42.749.961/0001-43

      (Maio)

      O Vokin GBV Aconcagua Icatu Quali FIE Prev FIC FIA fechou o mês com resultado de -8,53%, enquanto o Ibovespa fechou com -3,04%. No Brasil, o mês foi marcado pelo índice performando na contramão do mundo, acumulando o terceiro mês seguido de queda, motivado principalmente por receios sobre a trajetória das contas públicas e pelas mudanças no Banco Central. Também tivemos o decreto de calamidade pública no Rio Grande do Sul, em decorrência das chuvas intensas e enchentes que ocorreram no estado, de modo que as despesas resultantes da catástrofe não serão consideradas na meta fiscal. Em nossa carteira, viemos de um desempenho relativo muito abaixo do Ibovespa desde a segunda quinzena de abril. Entendemos que a performance negativa do período resulta da decisão de não possuir algumas das principais ações que compõem o índice e motivos descorrelacionados que impactaram a precificação de empresas da nossa carteira no curto prazo, mas que seguimos acreditando nas teses e com expectativas positivas de longo prazo.
      As principais posições que impactaram positivamente a carteira foram Itaúsa, Bemobi e Blau. As principais contribuições negativas foram 3R, Carrefour e Suzano.

  • V8 CAPITAL

    V8 CAPITAL

    • V8 VANQUISH TERMO ICATU PREV FIC RF CP - 52.279.180/0001-96

      (Maio)

      No mês de maio, o fundo V8 Vanquish Termo Icatu Prev foi beneficiado pelo fechamento dos spreads de alguns emissores do book de crédito bancário. Continuamos posicionados em LFs de grandes bancos e financiamento de termo. O fundo permanece alocado em torno de 50% da carteira em Letras Financeiras de grandes bancos, com carrego de CDI+ 1,12% ao ano e duration de 1,54 anos. Já a carteira de financiamento de termo representa em torno de 32% do fundo.

  • WESTERN ASSET

    WESTERN ASSET

    • WESTERN ASSET ICATU RF ATIVO PREV FIC FI - 23.872.787/0001-87

      (Maio)

      Ao longo do mês de Maio as curvas de juros seguiram se elevando, mas de forma mais comedida do que haviam subido em Abril. A continuidade da deterioração das expectativas sobre a política fiscal se somou à incerteza quanto aos próximos passos da política monetária que acabou permeando o mercado desde a votação dividida na última reunião do COPOM. O placar dividido elevou os receios do mercado sobre a postura dos membros votantes indicados pelo atual governo. Mantivemos a alocação em juros pré fixados de prazo intermediário em combinação a posições que se beneficiariam da elevação da inflação implícita como forma de proteção. Esse processo de reprecificação da curva de juros impactou o desempenho da estratégia. Adicionalmente, mantivemos uma carteira de crédito privado que segue adicionando valor ao portfolio à medida em que os prêmios de crédito privado seguem recuando de forma gradual. O desempenho da estrategia ficou marginalmente abaixo do CDI no mês.
      Seguimos combinando exposições a juros de médio prazo com uma exposição à inflação implícita, como forma de protegê-lo em caso de uma piora das expectativas inflacionárias. Seguimos vislumbrando uma perspectiva positiva no médio prazo para crédito privado, dado o carregamento dos ativos que se mostra interessante e a perspectiva de recuo gradual dos prêmios ao longo dos próximos meses.

    • WESTERN ASSET GLOBAL OPPORTUNITIES ICATU QUALI PREV FIM CP - 36.820.361/0001-21

      (Maio)

      A renda fixa americana apresentou alguma acomodação de taxas ao longo o mês de Maio. Depois da elevação das curvas de juros ocorrido em Abril, a percepção de que o obstáculo para o FED elevar as taxas de juros seja alto, trouxe algum alívio para os investidores globais e as curvas acabaram recuando. A estratégia se beneficiou da queda das taxas de juros e do carregamento de uma carteira de crédito diversificada uma vez que tanto os papéis High Grade quanto High Yield contribuíram para o desempenho do portfolio. As posições em moedas ficaram de lado. Localmente, as curvas de juros seguiram se elevando. A piora das expectativas sobre a política fiscal se somou à incerteza quanto aos próximos passos da política monetária que acabou permeando o mercado desde a votação dividida na última reunião do COPOM. Mantivemos a alocação em juros pré fixados de prazo intermediário em combinação a posições que se beneficiariam da elevação da inflação implícita como forma de proteção. Mantivemos uma carteira de crédito privado que segue adicionando valor ao portfolio à medida em que os prêmios de crédito privado seguem recuando de forma gradual. O desempenho da estrategia superou o CDI no mês.
      No mês, a estratégia apresentou performance acima do CDI, beneficiada pela combinação de estratégias locais e internacionais. A melhora da percepção de risco global favoreceu o desempenho do produto, enquanto a carteira de crédito local compensou o processo de alta das taxas de juros domésticas.

RELATÓRIO DE FUNDOS 2023

  • Planos administrados pela Icatu Seguros S/A

     

    Planos administrados pela Icatu Seguros S/A, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 42.283.770/0001-39. Os planos de risco de previdência foram aprovados pela SUSEP sob os números: Pecúlio por Invalidez

    (SUSEP: 15414.900869/2017-18), Renda por Invalidez (SUSEP: 15414.901518/2017-24), Pecúlio por Morte (SUSEP: 15414.900119/2016-65), Pensão por Prazo Certo 1 ano (SUSEP: 15414.900121/2016-34), Pensão por Prazo Certo 5, 10, 15 e 20 anos (SUSEP: 15414.900122/2016-89). A aprovação dos planos pela SUSEP não implica, por parte da Autarquia, incentivo ou recomendação à sua comercialização.

    O proponente tem a possibilidade de opção ou não pelo critério de tributação por alíquotas decrescentes. A Icatu Seguros não promete rentabilidade e/ou resultados financeiros durante os períodos de diferimento e de pagamento do benefício sob a forma de renda, com base no desempenho do respectivo fundo de investimento, no desempenho alheio ou no de quaisquer ativos financeiros e/ou modalidades operacionais disponíveis no âmbito do mercado financeiro. Sobre o valor do resgate haverá incidência de impostos na forma da legislação em vigor. Fundos de Investimentos não contam com a garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados/rentabilidade futura.

    É recomendável a leitura cuidadosa do Regulamento do Fundo de Investimento pelo investidor ao aplicar seus recursos. O participante/segurado poderá consultar a situação cadastral de seu corretor de seguros, no site www.susep.gov.br, por meio do número de seu registro na SUSEP, nome completo, CNPJ ou CPF. Informações resumidas. Para total conhecimento das características deste produto, consulte sua proposta de contratação e o regulamento do plano aqui.

RELATÓRIO DE FUNDOS