Ensinando educação financeira para seu filho na era digital

Com tanta tecnologia, não é fácil para as crianças entenderem o valor de compras, dos jogos e do lazer. Confira a opinião de especialistas em planejamento financeiro para crianças

O que representa o dinheiro para você? Pergunta simples de responder para um adulto, mas para uma criança… a resposta pode ser curiosa e até bem criativa. Imagina, então, nesse mundo virtual, que as compras são realizadas com um clique. A tecnologia veio nos ajudar, mas também mudou a dinâmica de como nos relacionamos com o dinheiro. E isso também acontece com as crianças. Não é fácil para os pequenos entenderem que o cartão de crédito, chamar um carro por aplicativo e os joguinhos no celular representam dinheiro de verdade dos pais. O planejamento financeiro ganha um papel fundamental desde os primeiros anos de vida dos filhos. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o excesso e o uso precoce dos aplicativos online acarretam sérias consequências para crianças e adolescentes, como problemas de socialização, dificuldades escolares e aumento da ansiedade. Sem contar a possibilidade de consequências financeiras.

Fique atento às compras pela internet
Nos Estados Unidos, uma menina de 6 anos gastou mais de US$ 300 em brinquedos com o cartão de crédito da mãe salvo em um site de compras. Enquanto aqui no Brasil, um menino gastou quase R$ 1.200, também aos 6 anos, em jogos online pelo tablet. Esses casos estão cada vez mais frequentes com as crianças tendo fácil acesso à tecnologia.

Fique de olho caso isso aconteça. Pela lei do consumidor no Brasil, você tem até 7 dias para se arrepender de alguma compra virtual, seja por telefone, aplicativo ou internet. “É importante que o consumidor tenha um comprovante de que o fornecedor recebeu realmente o comunicado pra que possa configurar que ele reclamou dentro do prazo previsto no Código de Defesa do Consumidor”, pontuou Renata Reis, do PROCON, ao site R7.

Mas, para evitar esse problema, a melhor maneira é ter cuidado com as senhas e evitar deixá-las salvas nos sites e celulares. “Os filhos, por mais que sejam novos, já ficam atentos, porque eles já sabem que precisam de um cartão de crédito para fazer compras na internet”, comentou Cristina Sleiman, pedagoga, ao portal R7.

Controle através do cartão-mesada
Outra possibilidade digital são os cartões-mesada ou pré-pagos para as crianças. Será que é uma boa ideia? Uma das vantagens é a possibilidade de pedir uma segunda via do cartão, caso seu filho perca, e o fácil controle dos gastos realizados pelos jovens, usando aplicativos para ver o extrato.

No entanto, o professor de finanças Joelson Sampaio, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), não indica que a iniciação financeira seja feita somente no meio digital. “Com o dinheiro em espécie, a pessoa tem a ideia do capital, do meio de troca. Desenvolver essa consciência é uma questão mais psicológica do que financeira”, comentou ao Estadão.

Diálogo acima de tudo
Vale ressaltar que o mais importante de tudo é dialogar. Converse com os pequenos, explique e ensine como se planejar. Seja com dinheiro físico ou no meio digital, o aprendizado é muito importante, acrescenta Joelson Sampaio. “A criança precisa errar para aprender. Por exemplo, ver que gastou em algo sem necessidade e ficou faltando para coisas importantes”.

E aí, refletiu sobre a importância da educação financeira para as crianças? Vamos educar os pequenos para que saibam lidar com dinheiro, entendam como consumir de forma consciente e como se planejar. E você, tem sido um bom exemplo nesse tema para seus filhos? Que tal planejar seu futuro com um Previdência Privada?